AP /Kin Cheung
AP /Kin Cheung

Hong Kong vai alterar lei para intensificar a censura de filmes

Emenda permitirá que censor determine se um longa contém elementos que coloquem em risco a segurança nacional

AP, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2021 | 07h53

As autoridades de Hong Kong disseram na terça-feira, 23, que planejam fazer emendas a uma lei de censura de filmes para proibir a exibição de longas considerados contrários à segurança nacional.

As alterações propostas ao Regulamento de Censura de Filmes de Hong Kong aumentariam a censura de filmes na cidade semiautônoma, expandindo uma repressão contínua à dissidência política que levou ao fechamento de várias organizações pró-democracia e à prisão de dezenas de ativistas.

As emendas exigiriam que um censor determinasse se um filme contém elementos que colocam em risco a segurança nacional. Filmes mais antigos que antes eram permitidos para exibição também poderiam ter suas aprovações revogadas por motivos de segurança nacional.

“Precisamos desta disposição para atender às circunstâncias em que um filme que foi criado ou aprovado antes pode ter o processso reconsiderado”, disse Edward Yau, secretário de comércio e desenvolvimento econômico, em uma entrevista coletiva na terça-feira.

As mudanças se aplicariam a filmes feitos em Hong Kong, bem como àqueles produzidos em outros lugares. A indústria cinematográfica de Hong Kong é amplamente conhecida por diretores como Wong Kar-wai, Tsui Hark, John Woo e Stanley Kwan e atores como Jackie Chan, Chow Yun-fat, Jet Li, Tony Leung Chiu-Wai e Maggie Cheung.

Aqueles que violarem o decreto e os filmes proibidos na tela podem pegar até três anos de prisão e uma multa de US$ 128.400.

As mudanças na lei, se aprovadas, colocam a cidade um passo mais perto dos níveis de censura da China continental, onde as autoridades têm o poder de bloquear filmes, programas de TV e conteúdos considerados politicamente sensíveis ou contrários aos valores do Partido Comunista Chinês.

A Grã-Bretanha entregou Hong Kong à China continental em 1997 com a estrutura de “um país, dois sistemas”, o que permitiu a existência de liberdades não encontradas no continente por 50 anos, incluindo liberdade de imprensa e de expressão.

Mas os críticos dizem que Hong Kong está perdendo rapidamente essa condição após a imposição de uma dura lei de segurança nacional sobre a cidade em junho do ano passado, após meses de conflito político e protestos contra o governo, em 2019.

A lei - que proíbe a subversão, terrorismo e conluio estrangeiro para intervir nos assuntos da cidade - foi usada para prender mais de 100 figuras pró-democracia.

Várias organizações pró-democracia, como as entidades Civil Human Rights Front e Professional Teachers 'Union, que organizaram manifestações democráticas, foram desfeitas em meio a alegações de violação da legislação de segurança.

Tudo o que sabemos sobre:
Hong KongChina [Ásia]cinemacensura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.