Sony/Marvel
Sony/Marvel

Homem-Aranha no cinema: Resumo de todos os filmes

De 'Homem-Aranha' (2002) a 'Homem-Aranha no Aranhaverso' (2018), o super-herói já passou por três atores, três diretores e três universos diferentes

Redação, O Estado de S. Paulo

03 de julho de 2019 | 11h43

Com Homem-Aranha: Longe de Casa chegando aos cinemas, esta é uma boa hora para relembrar os outros sete filmes do super-herói que já passaram pela tela grande. Veja os resumos abaixo.

Homem-Aranha (2002)

Um dos primeiros filmes de super-heróis a iniciar a “nova era” dos filmes em Hollywood, o original de Sam Raimi é hoje considerado um clássico por muitos fãs. Apesar de algumas críticas mais recentes considerarem o filme “datado” (especialmente pela falta de tiradas bem humoradas do Peter Parker de Tobey Maguire), é difícil ignorar os méritos do filme, entre eles, a história tão bem contada das origens do herói e o incrível casting de J.K. Simmons como J. Jonah Jameson, o jornalista que contrata o fotógrafo em início de carreira. E, claro, aquele beijo de ponta-cabeça.

Homem-Aranha 2 (2004)

Dois anos depois da morte do Tio Ben, Peter Parker continua lutando contra o crime, mas sua vida pessoal está prestes a desmoronar: falido, com problemas na faculdade e de coração partido (Mary Jane/Kirsten Dunst vai se casar com outro cara). A mutação do seu mentor para o Doutor Octopus deixa tudo ainda mais complicado — mas Tobey Maguire não tem tempo a perder e entrega aqui sua melhor atuação do herói. Ninguém nunca vai esquecer da cena do trem.

Homem-Aranha 3 (2007)

Considerado o pior de toda a série por muitos fãs, o fim da trilogia do diretor Sam Raimi traz James Franco e Thomas Haden Church como os vilões que aparecem num momento em que Peter Parker parece ter tudo sob controle. Apesar da fama ruim, o filme tem vários bons momentos, como a cena em que o Homem de Areia tenta, mas não consegue, segurar o pingente de sua filha com suas mãos se desintegrando.

O Espetacular Homem-Aranha (2012)

Apesar das críticas, Homem-Aranha 3 foi bem nas bilheterias — mas a Sony e o diretor Sam Raimi não conseguiram chegar a um acordo para os próximos filmes, e ele decidiu sair, levando consigo Tobey Maguire e Kirsten Dunst. Andrew Garfield e Emma Stone assumiram seus lugares, e o diretor Marc Webb passou a comandar a franquia. O reboot tentou contar a história da origem do super-herói num prisma um pouco mais sombrio do que seus antecessores.

O Espetacular Homem-Aranha 2 (2014)

Apesar de repetir muitas falhas de Homem Aranha 3, como tentar estufar diversos plots no mesmo filme, o diretor Marc Webb conseguiu tirar de Andrew Garfield e Emma Stone (namorando na época na vida real) algumas das melhores atuações de toda a saga. A Sony também tenta aqui acrescentar o “humor Marvel” tão bem sucedido nos Vingadores, e essa talvez seja uma das decisões que fez o filme se perder.

Homem-Aranha: De Volta ao Lar (2017)

O filme é o primeiro da franquia no acordo histórico da Sony com a Marvel: a Sony ainda detém os direitos do personagem e produz os novos filmes, e a Marvel determina a direção criativa deles, além de poder usar o personagem em suas próprias produções. O filme também marca a estreia de Tom Holland no papel principal, e aqui, mesmo sem tantas cenas de ação inesquecíveis, o ator consegue dar ao personagem um ritmo e um tom cômico bastante consistentes.

Homem-Aranha no Aranhaverso (2018)

Miles Morales, o jovem do Brooklyn protagonista dessa animação, é um dos personagens mais legais criados no “cinemão” recente, e seu encaixe no mundo de Homem-Aranha, aqui, é mágico. Conforme Peter Parker vai chegando à meia-idade, o vilão Wilson Fisk começa a juntar realidades paralelas para tentar recuperar entes queridos. Mas os riscos para a humanidade são imensos. A junção de Homens-Aranhas de diferentes realidades funciona tão bem que o filme levou um Oscar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.