Hollywood se recusa a dar apoio à guerra

Os estúdios de Hollywood limitaram a distribuição gratuita de filmes aos soldados e, por enquanto, descartam a possibilidade de produzir filmes favoráveis à guerra. A Associação Americana de Cinema deixou claro que não colaborará com a administração do presidente George W. Bush promovendo a posição do governo com filmes puramente propagandistas. Segundo o jornal Variety de Hollywood, a indústria considera que a produção de filmes propagandistas relacionados à guerra no Iraque geraria bastante polêmica, uma vez que grande parte dos atores se opõe à intervenção militar. Alguns exemplos de artistas que se declaram contra a guerra são Daniel Day-Lewis, Susan Sarandon, Michael Moore - que fez um discurso durante o Oscar atacando Bush - e Richard Gere. A reação é totalmente diferente da que Hollywood teve depois dos atentados de 11 de setembro, quando a mesma indústria ofereceu sua total colaboração na promoção não só de Nova York, mas também dos valores americanos. Depois dos atentados de 2001, foi formado o comitê Hollywood 9/11, responsável pela produção de diferentes filmes propagandistas.

Agencia Estado,

31 de março de 2003 | 11h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.