Hollywood se prepara para a corrida ao Oscar

O ano de 2005 foi bastante ruim para as bilheterias nos Estados Unidos e Hollywood começa a se preparar para a temporada tradicional do Oscar com competidores surpreedentemente fortes. As indicações para o Globo de Ouro deram uma primeira indicação dos filmes com chances para concorrer à competição anual de Hollywood. O Segredo de Brokeback Mountain, O Jardineiro Fiel e Boa Noite, Boa Sorte estão entre os favoritos no Globo de Ouro. Neste estágio inicial a maioria dos atores tende a dissimular e a demonstrar indiferença em relação à corrida para o Oscar. Filmes e atores no mesmo páreo "É um conceito realmente estranho para mim que atores e filmes possam concorrer uns com os outros," afirma Heath Ledger, um dos favoritos pelo papel de cowboy gay em O Segredo de Brokeback Mountain. "Não estamos na mesma corrida, não praticamos o mesmo esporte e todo o treinamento é diferente. Não é possível comparar," acredita o ator australiano de 26 anos. "Isto é feito por causa de marketing, mas acabamos sendo arrastados também. A opinião dos outros nos influencia e aos diretores a esta falsa sensação de sucesso, se você é indicado. E segundo à falsa sensação de fracasso se você não ganha".Ledger pode ter mais razões do que muita gente para demonstrar indiferença. Raramente filmes com temas ligados ao homossexualismo se dão bem na categoria de melhor filme do Oscar. Os eleitores mais liberais da Associação dos Correspondentes Estrangeiros, responsáveis pelo Globo de Ouro, tendem a gostar mais de filmes como O Segredo de Brokeback Mountain do que seus pares da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Britânicos no Oscar As indicações para o Oscar de 2006, que serão anunciadas no dia 31 de janeiro, devem incluir vários atores britânicos. E novamente a maior disputa deve ficar na categoria de melhor atriz. Judy Dench deve ser indicada pela quinta vez por seu trabalho em Sra. Henderson Apresenta. "O nosso trabalho não é ficar prestando atenção a especulações deste tipo, mas nos perguntar se contamos a história direito. Se conseguimos, então eu ficarei verdadeiramente feliz", afirma Dench. Keira Knightly também deve ser uma forte candidata por sua performance como Elisabeth Bennet em Orgulho e Preconceito. Esta pode ser a sua primeira indicação para o Oscar: "Sorte. Esta é a palavra", diz Knightly modestamente. "Eu estou muito consciente que esta é uma profissão em que as coisas acontecem e passam em um segundo. E isto é o que a faz bonita. Mas você precisa aproveitar o momento - porque é só um momento que passa logo. Mas tudo bem". Platéias vaziasMas se a metade de Hollywood está avidamente tentando antecipar as indicações do Oscar, a outra está tentando entender porque as salas de cinema estão cada vez mais vazias nos Estados Unidos. O ano de 2005 foi o pior em termos de fuga das platéias nos últimos 20 anos. Os analistas atribuem o fenômeno a uma série de fatores: mais e mais gente diz preferir esperar até que os filmes sejam lançados em DVD, para que possam assisti-los em casa, nos televisores de tela grande. Outros afirmam que desistem de ir cinema por causa do aumento dos preços: não só dos bilhetes, mas da gasolina e até da pipoca. A reclamação mais temida em Hollywood é de que o público está deixando de ir ao cinema em conseqüência da qualidade dos filmes em oferta. "As pessoas estão insatisfeitas," acredita Donnie Wahlberg, que foi a estrela do hit no outono americano "Saw II". Para ele, a insatisfação é maior "entre os jovens, que podem se divertir mais com seus celulares do que no cinema". "Eles são muito mais espertos do que a gente acredita. Eles podem assistir a milhares de canais de TV por satélite. E podem alugar os filmes originais dos remakes ruins dos filmes de horror que a gente continua fazendo," alfineta Wahlberg. Ele ainda prediz que "se continuarmos a tratar o público jovem como idiotas, eles não vão voltar aos cinemas". O ano passado teve vários fracassos: "XXX: Estado de Emergência, Miss Simpatia 2 - Armada e Poderosa, Gigolô Europeu por Acidente e A Casa de Cera. O ano terminou em alta com King Kong e As Crônicas de Nárnia: o Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, que têm ido bem nas bilheterias. E há alguns filmes que prometem, como Missão Impossível 3, com Tom Cruise. Outro filme bastante cotado é O Código Da Vinci, com Tom Hanks, que deve estrear em maio nos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.