Hollywood investe em filmes sobre automóveis

A cultura do automóvel está maispresente do que nunca nas telas de Hollywood com Carros, além de Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio e um filme de humor sobre rodas com Will Ferrell. A paixão automobilística está no coração dos cinéfilos, a julgar pelos US$ 84 milhões arrecadados por Carros - desenho dos estúdios Pixar - em seu fim de semana de estréia.O criador do filme, John Lasseter, reconhece que ele reflete suas duas paixões, a animação e o automobilismo. E, com base na bilheteria de Carros, muitos espectadores sentem o mesmo."A única coisa parecida entre ser ator e ser piloto de corridas é a concentração", disse Paul Newman à EFE. Com 81 anos e ainda pilotando carros de corridas, o ator dá voz, alma e velocidade a um dos personagens de Carros. A trama desta animação é ambientada em um mundo sem humanos, ondeos veículos reinam sobre a terra, as cidades têm nomes como"Radiator Springs", os insetos são pequenos fuscas e as montanhastêm forma de automóvel.Essa mesma obsessão pelo volante é vista em Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio, o terceiro filme da série que ficou famosa no mundo todo. Trata-se de um filme onde o menos importante são seus protagonistas humanos, que nem são os mesmos das versões anteriores, protagonizada por Vin Diesel e Michelle Rodríguez. O importante são os carros e, certamente, em Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio, o protagonista é a derrapagem. O coordenador de corridas do filme, Dennis McCarthy, disse que a produção é similar a Karatê Kid 2, longa onde o carro é uma metáfora. Os espectadores acabam se identificando com o filme que, apesar da advertência incluída na fita de que o "drifting" - as derrapagens - é coisa para profissionais, já gastam US$ 750 milhões nessa nova moda automobilística que chamou a atenção de Hollywood. Não deixa de ser uma ironia a paixão de Hollywood pelos carros,no momento em que o preço da gasolina está no nível mais alto dahistória americana. Outros filmes recentes como RV, a última comédia de Robin Williams, também baseavam suas histórias no mundo do automóvel, embora não tenham obtido tanto sucesso como Carros. Lasseter reconheceu à EFE que o segredo de deste último é o chamado "fator Nancy", referindo-se à esposa. "Disseram-me para fazer o filme pensando em todos que, como ela,não gostam de carros", disse o diretor, que tem um Jaguar, dirige um Mercedes esportivo e leva a família em um "trailer com DVD".A fórmula deu resultado. O filme lidera, pela segundo fim de semana consecutivo, a bilheteria norte-americana. De acordo com pesquisas, a porcentagem de homens e mulheres noscinemas ficou meio a meio. O humorista Will Ferrell também conta com isso quando seu filme estrear nos Estados Unidos, Talladega Nights: The Ballad of Ricky Bobby, em 4de agosto. Sua nova comédia se passa em um circuito de corridas onde Ferrell é Ricky Bobby, um motorista medroso que deverá enfrentar seu único temor na pista. A comédia busca combinar os elementos que fizeram de seu sucesso anterior (O Âncora - A Lenda de Ron Burgundy) um sucesso de bilheteria, com uma trama automobilística que aproveita a moda de Hollywood, mas sem deixar o público feminino de lado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.