'Hermosa Juventud' traz um retrato da apatia dos jovens espanhóis

Adolescentes são vítimas principais do grande desemprego do país

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

22 de outubro de 2014 | 18h34

A recessão econômica europeia atingiu determinados países com mais força - é o caso da Espanha, onde o índice de desemprego atingiu níveis alarmantes. Com isso, não apenas deixou muitos jovens ociosos como alimentou uma desesperança sobre um futuro melhor. É justamente o efeito desse desalento o ponto de partida do longa Hermosa Juventud, do cineasta Jaime Rosales, que ganhou menção honrosa do júri na mostra Un Certain Regard, no último Festival de Cannes.

Natalia (Ingrid Garcia-Johnsson, atriz que está em São Paulo a convite da Mostra) é uma jovem bonita que namora o não menos belo Carlos (Carlos Rodriguez). Aparentemente, formam um casal tranquilo e apaixonado. Até o momento em que Natalia descobre que está grávida, fato que mais provoca apreensão que felicidade. Isso porque o espectador descobre que ela vive com outros dois irmãos às custas da mãe, única provedora do lar.

Carlos não vive situação melhor, fazendo trabalhos ocasionais na construção civil, que lhe rendem míseros 10 euros por dia. O casal não percebe perspectiva de melhora e, ainda que faça um serviço extra nada convencional (os dois decidem participam de um filme pornográfico, no qual aparecem transando), a vida caminha para a estagnação.

Mesmo assim, Natalia decide ter a criança, o que gera uma carga extra na despesa. O maior problema, claro, está fora de casa: a total falta de perspectiva para se conseguir um emprego em meio a uma crise que parece não ter fim. É nesse ponto que o filme ganha maior interesse - de tão longeva, a situação se impregna no cotidiano dos personagens que, embora sintam na carne a falta de dinheiro, parecem já terem se acostumado à nova realidade.

Somente Natalia, ao perceber a dificuldade em criar uma criança, decide tomar uma decisão: mudar-se para a Alemanha, país considerado o paraíso da Europa, no qual a crise não se instalou de forma tão destruidora. Mesmo não dominando o idioma, ela decide se arriscar e, sozinha (pois Carlos resolve ficar), ela se muda para trabalhar como arrumadeira. 

Mesmo assim, a situação não melhora consideravelmente, o que a obriga a retomar a prática de faturar a partir da própria beleza, participando de vídeos em que aparece em cenas sensuais.

Hermosa Juventud peca por um excesso de convencionalismo com que apresenta um grave problema atual, mas, quando investe de forma direta, trata do problema com dignidade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.