Hellboy chega para mandar o mal para o inferno

Criado por Mike Mignola no início dos anos 1990, Hellboy jamais teria saído das páginas de histórias em quadrinhos, não fosse a determinação e a habilidade de Guillermo del Toro em adaptá-lo para o cinema. Vejamos: trata-se de um demônio conjurado pelos nazistas na 2ª Guerra Mundial e resgatado por um agente do FBI, que o cria como um filho para servir o secreto Bureau de Pesquisa e Defesa Paranormal (BPDP). Nascido para governar o Inferno, o rebelde demônio cresce fazendo o bem e protegendo a humanidade de aberrações e ocorrências inexplicáveis. Interpretado por Ron Perlman, Hellboy tem a ambigüidade de um herói mítico e o humor de um personagem moderno. Mais forte e resistente do que os seres humanos, ele tem a pele vermelha, uma cauda ativa e duas estranhas rodelas na testa, na verdade, a base de dois longos chifres que ele corta para parecer mais humano. Além de mais forte, também é mais longevo, o que explica a atitude rebelde de um jovem de 20 e poucos anos, embora tenham se passado mais de 50 desde que fora resgatado. John Hurt faz o papel do professor Broom, o paternal chefe do BPDP, que comanda a equipe de seres estranhos com habilidades especiais, treinados para proteger o mundo, que é formada por, além de Hellboy, Abe Sapiens, uma ser meio humano, meio peixe, inteligente com habilidades extra-sensoriais, e Liz Sherman (Selma Blair), cuja principal habilidade é entrar em combustão instantânea. Del Toro escolheu a minissérie em dois episódios Sementes da Destruição (lançado no Brasil pela editora Mythos) para adaptar. Ao mesmo tempo que ilustra a origem de Hellboy, narra uma história em que se explicitam as principais características de suas aventuras: as referências históricas, as míticas e um universo em que a racionalidade se opõe ao inexplicável, uma ambigüidade muito maior do que a natureza demoníaca e ao mesmo tempo extremamente humana do personagem. Não se pode negar que Del Toro exibe uma habilidade incrível para dar vida a um universo do imponderável, com base em uma HQ cuja principal característica, no mais das vezes, é o nonsense completo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.