Acervo Helena Solberg
Acervo Helena Solberg

Helena Solberg, única diretora do Cinema Novo, ganha retrospectiva

Mostra do CCBB que será aberta nesta quarta-feira, 7, véspera do Dia da Mulher, expõe a diversidade de seus filmes - que refletem o Brasil e o mundo

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

07 de março de 2018 | 06h00

Helena Ignez gosta de dizer que o Cinema Novo era um ‘Clube do Bolinha’. Era mesmo – a célebre fotografia reunindo os líderes do movimento, num festival na França, não tem nenhuma mulher. Mesmo assim, outra Helena carrega a fama de ter sido a única diretora do movimento. A própria Helena Solberg relata. “Fui sempre amiga de Cacá (Diegues), do (Arnaldo) Jabor, de Davi Neves. Glauber me apoiou muito quando lhe expus a ideia do que seria meu primeiro filme, mas é uma coisa mais geracional. Minha agenda não era exatamente a social do Cinema Novo. Comecei falando sobre a minha classe, mas o desejo de transformar (o mundo, o cinema) era o mesmo.”

Helena Solberg recebe a homenagem do CCBB, que lhe dedica, de quarta, 7, a 19, uma retrospectiva ‘quase’ integral. “Está faltando um filme que fiz com o Canadá, Made in Brazil, sobre uma cidade de interior em que as mulheres começam a ocupar espaços e isso repercute nas famílias. É um filme que antecipa muita coisa que está ocorrendo hoje.”

No seu longa de estreia, A Entrevista, de 1966, Helena filma garotas da burguesia carioca, fazendo-as falar sobre suas expectativas sobre casamento, sexo e família. Nos anos 1970, nos EUA, fez A Nova Mulher, documentando a luta feminina por igualdade e iniciando o que a pesquisadora Mariana Tavares chama de ‘Trilogia da Mulher’, também integrada por The Double Day e Simplesmente Jenny. Somando Banana is My Business, sobre Carmen Miranda, e a ficção Vida de Menina, Helena ficou rotulada. Feminista, diretora de filmes de mulheres.

Ela reconhece seu interesse pelo tema, mas rejeita o rótulo. “A vida me abriu janelas, ofereceu oportunidades. Vivi e filmei nos EUA, conheci figuras maravilhosas. Albert Maysles, Shirley Clarke, J.W. Pennebaker. Acho que o meu interesse sempre foi pelo mundo, pelo outro, como forma de conhecer a mim mesma.” Vida e obra andam juntas. Ficção e documentário, também. “Não tenho limites rígidos.” Helena filmou o sandinismo, investigou o fenômeno Pinochet no Chile.

Do Brasil para o mundo, de volta ao Brasil. O novo longa, Meu Corpo, Minha Vida, é sobre aborto. O próximo, de encomenda, será sobre o desaparecimento de pessoas no Brasil atual. “É coisa de ficção científica. O Brasil virou um país de ficção científica.” A ideia da retrospectiva é lisonjeira, mas assusta. “Espero que não me considerem uma peça arqueológica.” No sábado, 17, ela ministra uma aula magna.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.