REUTERS/Mike Segar
REUTERS/Mike Segar

Harvey Weinstein é acusado de estupro pelas autoridades em Nova York

Ex-produtor pagou US$ 1 milhão de fiança; algemado, ele foi levado a um tribunal

Lucia Guimarães/Nova York, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 08h42
Atualizado 25 Maio 2018 | 12h15

O produtor de cinema Harvey Weinstein se apresentou a uma delegacia de Nova York nesta sexta-feira, 25, sete meses depois acusações de estupro e assédio sexual por mais de 80 mulheres em vários países darem impulso ao movimento global #MeToo. Um painel de jurados – grand jury -  convocado pelo promotor de Manhattan, Cyrus Vance Jr, aprovou acusações envolvendo duas mulheres. A investigação continua e pode envolver outros casos.

Weinstein, 66, o mais poderoso produtor independente do cinema americano ao longo de mais de duas décadas, caiu em desgraça ao ser acusado, primeiro numa reportagem do New York Times, de ter feito carreira paralela como assediador serial de mulheres dos dois lados do Atlântico.

Há investigações em curso contra o produtor de Pulp Fiction e Django Livre nas polícias de Nova York, Los Angeles e Londres. A polícia nova-iorquina queria a prisão de Weinstein desde março, alegando que já havia recolhido material suficiente para incriminar o produtor.

O promotor municipal Cyrus Vance Jr tinha planos de decretar a prisão de Weinstein nesta sexta-feira, depois de meses de investigações. Na quarta-feira, um painel de jurados a portas fechadas decidiu aceitar as acusações contra o produtor, feitas pelas atrizes Paz de la Huerta (Boardwalk Empire) e Lucia Evans. O promotor já havia investigado Weinstein em 2015, quando a modelo italiana Ambra Battilana Gutierrez gravou o produtor na porta do quarto de um hotel, sob instruções da polícia de Nova York, admitindo assédio. Gutierrez teve sua credibilidade questionada em parte porque, aos 19 anos, ela depôs contra o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi como testemunha de uma de suas festas “bunga-bunga”, de orgias sexuais. Vance Jr decidiu que não havia provas suficientes para incriminar Weinstein e foi severamente criticado por aceitar doações de campanha de advogados do produtor. Promotores municipais e estaduais em Nova York se candidatam em eleições, ao contrário dos promotores federais do estado, nomeados pela presidência.

Weinstein chegou cabisbaixo à 1ª Delegacia, no bairro de Tribeca, pouco antes das 7:30 locais (8:30 em Brasília), carregando vários livros, entre eles, a biografia do cineasta Elia Kazan e Something Wonderful, sobre a carreira da dupla de compositores Rogers e Hammerstein que transformou os musicais da Broadway. Mais de cem jornalistas se acotovelavam na calçada da delegacia e detetives tinham deixado claro que ele não teria privilégio de entrar protegido de câmeras. Ao sair algemado e sorrindo, pouco mais de uma hora depois, Weinstein tinha sido acusado de forçar atriz Lucia Evans de fazer sexo oral no seu escritório, em 2004 e de estuprar uma outra mulher que prefere se manter anônima. O NYPD, departamento policial de Nova York divulgou a lista de acusações: estupro, ato sexual criminoso, abuso sexual e mau comportamento sexual envolvendo duas vítimas. Se condenado, o produtor pode pegar 25 anos de cadeia

++ Harvey Weinstein: relembre os fatos mais importantes do caso

Desde que começou a enxurrada de denúncias contra Harvey Weinstein, ele admitiu apenas mau comportamento, mas insiste que os casos de sexo foram consensuais. Às 9:38 locais (10:38 em Brasília), Weinstein ouviu uma juíza no tribunal municipal de Nova York anunciar que ele é, no momento alvo de duas acusações de assalto sexual contra duas mulheres. A juíza disse a ele que a investigação ainda está em andamento, estabeleceu fiança de US$ 2 milhões, US$ 1 milhão em dinheiro vivo, determinou que Weinstein entregue seu passaporte e não saia de Nova York sem autorização judicial. Ele vai voltar para casa com tornozeleira eletrônica.

Ao sair do tribunal, o avogado do produtor, o veterano Benjamin Braffman, disse à imprensa: “O Sr. Weinstein vai se declarar inocente, pretendemos que as acusações sejam recusadas, acreditamos que são constitucionalmente falhas. Várias destas alegações são antigas, sobre eventos anos antes que não foram relatados à polícia. Quando as mulheres forem questionadas em juízo e se tivermos um corpo de doze jurados justos, acredito que ele será absolvido.” Braffman disse também que há diferença entre mau comportamento, o que seu cliente admitiu, e comportamento criminoso. “Mau comportamento não está em julgamento neste caso, Mr Weinstein não inventou o casting couch”, numa referência ao assédio de atrizes aspirantes a papéis por produtores e diretores de elenco, uma tradição tão antiga quanto Hollywood. O advogado confirmou que está negociando com o Distrito Sul de Nova York, a divisão de promotores federais que também investiga as acusações contra Weinstein há meses e ainda não se decidiu sobre um processo federal.

Duas acusadoras de Weinstein, as atrizes Asia Argento e Rose McGowan, reagiram, após a prisão do produtor. Argento postou no Twitter: “Hoje, Harvey Weinstein vai dar seu primeiro passo de sua descida inevitável para o inferno. Nós, as mulheres, finalmente temos esperança real de justiça.” Rose McGowan, entrevistada pela rede ABC, disse, “Tenho que admitir, não pensei que ia ver o dia em que ele estaria em algemas.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.