Harry Potter reinou no fim de semana

Se você não foi uma das milhares de pessoas que correu para os cinemas no fim de semana para assistir logo à estréia no Brasil de Harry Potter e A Pedra Filosofal, provavelmente ainda não foi contaminado pela magia do pequeno bruxo. Mas não se iluda. Com tanto marketing em torno do best-seller da escritora britânica J. K. Rowling, será difícil resistir.No Shopping Villa-Lobos, por exemplo, as três salas que exibem o filme estiveram lotadas desde sexta-feira. No sábado, por volta das 16 horas, os ingressos para todas as sessõesrestantes de ontem já estavam esgotados, segundo informou Marcelo Rodrigues Oliveira, da bilheteria do Cinemark. Na fila de espera de sábado, a professora de inglês Ana Lúcia Andreatta aguardava ansiosa para conferir a história na telona. "Li todos os livros e se o filme for rico em detalhes, como a obra, será o máximo", disse.Abordada novamente pela reportagem depois de assistir ao filme, Ana Lúcia contou ter adorado. "Achei o filme uma graça, muito bom. A única coisa é que o livro é mais engraçado e o filme perde um pouco desse humor." "A adaptação é muito fiel à obra. A literatura britânica é muito detalhista, por isso no filme eles acabam resumindo um pouco, mas o resultado é ótimo", comentou a professora. "Por outro lado, o filme não é recomendado para crianças pequenas. Os efeitos especiais as deixam morrendo de medo", observou Ana Lúcia.Muitos pais não agüentaram esperar por ingressos para as cópias dubladas e acabaram entrando na sessão legendada com os filhos pequenos. "O choro e o medo foram inevitáveis", lamentou Ana Lúcia.O clima de euforia nas filas parecia o mesmo dos shows de pop star. Thales Costa Neves, de 10 anos, e a prima Gisela, também de 10, acompanhados pelas mães Márcia e Sílvia, mantinham a expressão de estar perto de descobrir um tesouro. "Eu e minha prima lemos todos os livros e só não viemos ver o filme na sexta porque tínhamos aula", disse Thales.Acompanhado de quase dez amigos, Roberto Rigato Filho, de 14 anos, aguardava para entrar na sala pela segunda vez. Um dos milhões de apaixonados pela saga do pequeno aprendiz de feiticeiro, o estudante esteve no shopping na quinta-feira para comprar os ingressos antecipadamente. Voltou sexta para a estréia e no sábado já estava lá de novo com outra turma. "Li todos os livros, inclusive o não autorizado O Mundo Mágico de Harry Potter. Gostei bastante do filme, principalmente do jogo de quadribol. Só achei que está muito resumido e no final tudo é fácil para o Harry. No livro, ele passa mais sufoco", comentou.Morando no Brasil há dois anos, os irmãos dinamarqueses Pelle (11 anos), Espen (13) e Johannes Hesketh (14), que também leram toda a série, dividiram as opiniões sobre o filme. Ao contrário de Pelle e Espen, que adorararam o longa-metragem, Johannes saiu da sala decepcionado. "Esperava mais, foram mudadas as melhores partes", disse.Para a psicóloga Silvana Pires, que levou a filha Ana Clara, de 10 anos, o filme é muito bom. "Ele desperta a fantasia e a criatividade. A gente vive num mundo tão árido, que é importante e saudável para as crianças ter acesso aos contos de fada e histórias criativas como essa", observa Silvana. Para a filha Ana Clara, o filme é melhor do que do livro.No Brasil foram lançados os quatro volumes de uma série que deve chegar a sete obras. O quinto, tão esperado pelos leitores de Harry Potter, já deve chegar às livrarias dos Estados Unidos em janeiro. Mas enquanto a novidade não chega por aqui, o fã-clube pode colecionar diversos bonecos, objetos, roupas e acessórios com a estampa do pequeno bruxo. Além de estrondoso faturamento estimado com a bilheteria do filme - no fim de semana de estréia nos Estados Unidos, ele bateu o recorde de abertura com US$ 93,5 milhões -, a marca estima arrecadar US$ 1,4 bilhão com a venda dos produtos. A rede de lojas Side Play, que lançou esta semana uma linha de material escolar e roupas, comemora as vendas. Segundo a gerente da loja do Shopping Villa-Lobos, Claudia Rodrigues de Almeida, as pessoas já pediam para entrar na loja antes de ela abrir, na sexta-feira. "Tive até de mandar algumas peças daqui para as unidades dos shoppings Eldorado, Iguatemi e Ibirapuera, para repor o estoque", contou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.