Harrison Ford vale US$ 1, 25 milhão

O ator norte-americano Harrison Ford bateu um novo recorde na história de Hollywood, ao fechar um contrato de US$ 1,25 milhão por dia, para filmar a saga cinematográfica sobre a catástrofe ocorrida com o submarino soviético K-19.O contrato de Ford refere-se a 20 dias de trabalho em estúdio, o que dá um total de US$ 25 milhões. Assim, por uma jornada de oito horas de trabalho o ator vai ganhar US$ 156 mil por hora, US$ 2,5 mil por minuto ou US$ 41 por segundo passado no estúdio.São cifras astronômicas, distantes anos luz do salário de comuns mortais e superiores ao recorde com que Marlon Brando entrou em 1978 para o Guinness - o livro dos recordes. O ator cobrou US$ 3 milhões para passar quatro dias no set de filmagem de Superman, apesar de seu papel na tela ter aparecido somente por dez minutos.O contrato de Ford entra na lista dos mais bem pagos do cinema. Entre os contemplados estão nomes como os de Mel Gibson (US$ 25 milhões), Arnold Schwarzenegger e Tom Hanks (US$ 22 milhões, cada), Jim Carrey (US$ 21 milhões) e Julia Roberts (US$ 20 milhões).Mas não foi por dinheiro que o herói de Star Wars decidiu comprometer-se com a saga do submarino. "Não fiquei tentado pelo dinheiro. Aceitei o papel porque a trama é muito emocionante", disse.No filme, que provocou furiosas polêmicas e a insurreição dos sobreviventes russos do submarino, Ford fará o papel do capitão Zateyev no comando da unidade soviética movida a propulsão nuclear, que no verão boreal de 1961 protagonizou um caso semelhante ao do Krusk.Os marinheiros soviéticos lançaram-se sobre as chamas salvando seus companheiros da morte e o mundo de uma catástrofe atômica. Sete deles morreram queimados no reator, cem sobreviveram e voltaram para suas casas. As filmagens, com produção da National Geographic Film e distribuição da 20th Century Fox deverão começar em poucos dias."Pagaríamos qualquer cifra para ter Ford no papel, porque é a garantia de êxito do filme", disse o produtor executivo Tim Kelly. Outros astros, como Liam Neeson, trabalharão três meses na Rússia, Islândia e Canadá, com a diretora Kathryn Bigelow, por um terço do que será pago a Harrison Ford.

Agencia Estado,

26 de fevereiro de 2001 | 18h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.