Harrison Ford protagoniza filme sobre Abraham Lincoln

O cineasta equatoriano Sebastián Cordero informou hoje que dirigirá o filme Manhunt, protagonizado por Harrison Ford e abordará o assassinato do presidente dos Estados Unidos Abraham Lincoln, que ocorreu no dia 15 de abril de 1865.Cordero avaliou que o Manhunt terá um custo superior aos US$ 60 milhões disponíveis e será produzido por Lawrence Bender. A história é baseada na morte de Lincoln e na prisão de 12 dias de John Wilkes Booth, o assassino do presidente. O cineasta disse que foi convidado para dirigir este filme por causa do impacto que teve o Crônicas de Nárnia, trabalho que lhe abriu as portas para Hollywood. "O Crônicas de Nárnia me deixou muito satisfeito, e me trouxe muitas coisas. Uma delas é que me abriu portas, pois o mesmo estúdio que produziu o filme, o Walden, propôs a realização desse novo projeto, eu gostei do roteiro e então o faremos", apontou o diretor em uma coletiva de imprensa. Cordero informou que dirigirá o filme norte-americano com o mesmo respeito e a mesma responsabilidade com que fez seu último filme, pois a responsabilidade que se tem diante de um projeto não depende do orçamento que ele dispõe, e sim do compromisso que se tem com o diretor. Sobre o Crônicas de Nárnia, que na próxima semana será exibido nos cinemas do México, o equatoriano apontou que é um filme que reflete a manipulação da imprensa sensacionalista, e destacou a atuação dos mexicanos Damián Alcázar e José María Yazpik, assim como a do colombiano John Leguizamo. O cineasta apontou que depois de seu ingresso no cinema de Hollywood pretende voltar a fazer cinema latino, para o qual já tem dois roteiros, apesar de não dar detalhes sobre eles. Acrescentou que espera trabalhar novamente com Damián Alcázar, a quem qualificou como "um dos melhores atores do México".Cordero, de 33 anos, dirigiu em 1999 o filme Ratas, Ratonas, Rateros, e seu segundo longa-metragem foi o Crônicas de Nárnia.

Agencia Estado,

16 de abril de 2006 | 13h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.