Harrison Ford pede que EUA aumentem seu papel ambiental

Harrison Ford pede que EUA aumentem seu papel ambiental

Ator pediu ao país que assine convenção global de 1993 para combater a extinção de espécies

Chisa Fujioka, Reuters

26 de outubro de 2010 | 13h22

O ator e ambientalista Harrison Ford pediu nesta terça-feira que os EUA aumentem o seu papel na proteção da natureza e assinem uma convenção global datada de 1993 para combater a extinção de espécies animais e vegetais.

 

Em entrevista concedida durante um encontro da ONU no Japão com representantes de quase 200 países, o ator afirmou que é necessária maior pressão sobre as lideranças políticas para salvar florestas, oceanos e rios. "Temos de criar um tipo de corrente indiscutível de opinião pública, um tipo de efeito de movimento, algo como o Movimento dos Direitos Humanos ou o Movimento dos Direitos das Mulheres", afirmou Ford, vice-presidente do grupo ambientalista Conservação Internacional.

 

"Uma das razões de eu ter vindo é porque eu quero exortar o governo dos Estados Unidos a assinar o tratado", afirmou Ford à Reuters em uma entrevista em Nagoya, onde ministros do Meio Ambiente pretendem estabelecer metas até 2020 para combater o aumento nas taxas de extinção.

 

Os EUA assinaram, mas não ratificaram, a Convenção sobre Diversidade Biológica, que passou a vigorar em 1993, e estão participando do encontro de Nagoya apenas como observadores.

 

Ford, que viu a espécie de formiga Pheidole harrisonfordi receber seu nome devido ao trabalho que o ator faz pelo meio ambiente, disse que a natureza é indispensável para a vida cotidiana. "A natureza nos dá águas fresca, uma série de solos saudáveis, gêneros alimentícios, medicamentos futuros e colheitas", afirmou. "Não podemos criar mecanismos para nos dar os serviços que a natureza nos dá de graça quando a natureza é saudável e protegida."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.