REUTERS/David Swanson
REUTERS/David Swanson

Halle Berry diz que dirigir 'Ferida' foi uma das coisas mais difíceis que já fez

Produção que também é estrelada pela atriz entra no catálogo da Netflix nesta quarta-feira, 24

Alicia C. Powell, Reuters

24 de novembro de 2021 | 05h00

LOS ANGELES - A atriz vencedora do Oscar Halle Berry ocupou a cadeira de diretora pela primeira vez no novo drama Ferida, filme em que também estrela, interpretando uma lutadora de MMA em decadência que tenta reviver sua carreira.

Berry disse que demorou anos para levar a produção às telas e que fez um treinamento físico intenso de até cinco horas por dia para se preparar para as cenas de luta. O filme está sendo exibido atualmente em um número limitado de salas de cinemas e será lançado na Netflix na quarta-feira, 24.

"Eu sabia que gastaria mais tempo, mais energia, mais horas trabalhando em algo do que jamais havia trabalhado em toda a minha carreira", disse ela em entrevista à Reuters. "Provou ser verdade. Foi uma das coisas mais difíceis que já fiz."

A atriz britânica Sheila Atim, que coestrela o filme no papel de treinadora da personagem de Berry, disse que Ferida é sobre encontrar a si mesmo.

"Os personagens dessa história estão apenas tentando encontrar um caminho por meio da ajuda que receberam", disse Atim. "E algumas pessoas transitam por isso melhor do que outras por razões diferentes."

Depois de décadas na indústria do entretenimento e de ganhar um Oscar pelo filme A Última Ceia, de 2001, Berry disse que as pessoas costumam se surpreender por ela ainda achar o setor de entretenimento um lugar duro de se percorrer.

"Eu entendo que a maioria das pessoas pensaria que de alguma forma isso é fácil para mim", disse Berry.

"Como mulher negra, a luta é real", acrescentou. "Ainda é real. Nada me foi dado em toda a minha carreira e ainda tenho que lutar pelas coisas. E embora às vezes eu desejasse não precisar, também sou grata por isso."

Tudo o que sabemos sobre:
NetflixcinemaHalle Berry

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.