Guta Stresser é a musa de "Nina"

Musa inspiradora do cineasta Heitor Dhalia,a atriz paranaense Guta Stresser, além de interpretar opapel-título de Nina, é a única razão da existência dofilme. Em maio de 2000, depois de assisti-la na peça MaisPerto, do inglês Patrick Marber, sob a direção do cineastaHector Babenco, Dhalia ficou fascinado com a atriz. "Fiqueiapaixonado pela presença cênica dela", conta ele. "Desde que avi, fiquei com essa idéia fixa de fazer algo para trabalharmosjuntos." Feito o primeiro contato, Dhalia e Guta ficaram amigos.Redator de publicidade antes de se tornar diretor de cinema, elefez com que a agência para a qual estava trabalhando contratassea atriz para estrelar um comercial de televisão cujo roteirohavia escrito. Era uma empresa de tecidos sintéticos paralingeries. "Eles queriam uma modelo para fazer o filme, mas oHeitor insistiu tanto que eles acabaram topando fazer comigo",conta ela. "Durante as filmagens, ele ficava me olhando pelovisor, me enquadrando." Uma das primeiras idéias, segundo ambos, foi fazer umcurta-metragem. Mas não existia mais nada além disso. A idéia veioquando, após uma noitada, Dhalia foi para casa. De lá, ardendoem febre, ligou para a atriz, deixando um recado na secretáriaeletrônica dela. "Quando cheguei em casa, vi que tinha umrecado na secretária eletrônica", lembra ela. "Era ele, comuma voz meio estranha, dizendo que queria fazer um filme, umaadaptação de Crime e Castigo e que eu seria a personagemprincipal." Desde que isso aconteceu, em maio de 2000, Dhalia e Gutanunca mais perderam de vista a idéia de transformar Nina emrealidade. Leram e releram livros, assistiram a uma série defilmes, estudaram os personagens, seus papéis dentro dahistória. A atriz chegou a fazer ginástica com um professorparticular, coisa que não faz, segundo ela própria, o seuestilo. "Eu odeio fazer ginástica e, no entanto, aceitei atarefa", conta a atriz. "Mas agradeço, e muito, ao Heitor,porque tinha uma razão de ser. Revendo uma cena em que ficoseminua, não faço feio." Sobre a concepção de seu personagem, ela diz que opróprio Dostoievski e o personagem de Raskolnikof foram seusprincipais pontos de referência. "Quando não tínhamos respostapara alguma dúvida que surgia no roteiro, o livro nos dava",conta ela. "Costumo dizer que: se eu sou a musa inspiradora dofilme, o Raskolnikof é o nosso muso inspirador." De passagem por São Paulo para a realização de Nina,Guta conta que está tirando férias de A Grande Família.Assim que as filmagens terminarem, volta para o Rio de Janeiro,onde está morando, e recomeça o trabalho na televisão em março.O teatro, sua paixão desde os 13 anos, é outro projeto que querretomar. "Não fiz nada no ano passado, mas estou querendoproduzir. Não sei ainda bem o quê."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.