Juan Guerra/AE
Juan Guerra/AE

Gustavo Dahl morre aos 72 anos

Cineasta, que era diretor do Centro Técnico do Audiovisual, do Minc, estava no litoral baiano

Estadão.com.br,

27 Junho 2011 | 14h52

O cineasta e roteirista Gustavo Dahl, 72 anos, morreu neste domingo vítima de um enfarte fulminante, em Trancoso, litoral da Bahia, onde passava o feriado de Corpus Christi. Dahl atualmente exercia o cargo de diretor do Centro Técnico do Audiovisual (CTAV), órgão ligado à Secretaria do Audiovisual, do Ministério da Cultura. A ministra da Cultura, Ana de Hollanda, lamentou, em nota, a morte do cineasta.

 

Argentino, Dahl mudou-se com a família pra São Paulo em 1947. Foi colaborador do Suplemento Literário do Estadão. Foi gestor da Embrafilme e teve passagem pela Associação Brasileira de Cineastas, Concine, Conselho Nacional de Direitos Autorais e Ancine. É autor de documentários para televisão brasileira e italiana.

 

 

Leia a nota:

Nota de pesar: Ministra da Cultura lamenta morte de Gustavo Dahl

A morte inesperada de Gustavo Dahl é um golpe profundo não só para a comunidade do cinema, como para o Brasil. A começar que ele, argentino de nascimento, se tornou um brasileiro como nós por opção. Cineasta, crítico e gestor público, com muitos prêmios, sua atuação à frente da Embrafilme a converteu na segunda maior distribuidora do país. Doou generosamente sua experiência e sensibilidade a todos os órgãos pelos quais passou, desde a Associação Brasileira de Cineastas, Concine, Conselho Nacional de Direitos Autorais e Ancine, até o Centro Técnico Audiovisual do Ministério da Cultura, do qual era gerente. Isso sem esquecer, ainda, de sua figura humana, luminosa e divertida, que tornava as reuniões de trabalho ocasiões de enriquecimento cultural. Deixo meu abraço solidário à família, aos amigos e a toda a comunidade do cinema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.