Gushiken propõe novo modelo de patrocínio

O ministro chefe da Secretaria de Comunicação, Luiz Gushiken, vai sugerir àsestatais a supressão em seus sites na Internet dos textos sobre critérios para a concessão de patrocínios até que o novo modeloseja definido a partir do diálogo com o Ministério da Cultura e profissionais da área. Entre essas estatais está a Eletrobrás, aprimeira a divulgar sua política cultural por esta via. Esta é uma das seis determinações contidas num documento que Gushikenacaba de distribuir a cineastas, produtores e outros artistas reunidos com ele e com o ministro da Cultura Gilberto Gil, noPalácio Gustavo Capanema, no Rio. O encontro foi determinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para resolver o impasse criado com as diretrizesestabelecidas pela Secom para o patrocínio de projetos culturais. O documento distribuído por Gushiken sugere também que os contratos já firmados sejam cumpridos para que a produção não seja interrompida e que as estatais atuem em conjunto para evitar que determinadas áreas sejam atendidas por uma única empresa (como o cinema que praticamente recebe patrocínio integral da BR Distribuidora) e que outras áreas tenhamsuperposição de patrocínios. Gilberto Gil deixou a reunião antes do fim, mas o encontro prossegue com a participação do secretário executivo do Ministério da Cultura, Juca Ferreira, e artistas.Ao deixar o palácio, o ministro da Cultura, Gilberto Gil, mostrou-se satisfeito com o encontro. "Estou satisfeito que essa reunião reconduz o Ministério daCultura à frente da política Cultural. As coisas voltam a seu caminho. A conversa, o diálogo e a construção da política culturalserá feita em conjunto pelo Ministério da Cultura, pela Secom, pelas estatais e pelos artistas", disse o ministro antes de seguirpara o Aeroporto Internacional do Rio, onde embarcou para o Chile e Peru. Lá ele terá reuniões de trabalho para fechamento deacordos culturais. A assessoria de Gil disse que essa foi a primeira reunião de muitas para se chegar a um consenso sobre o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.