Greve dos roteiristas dos EUA é encerrada

Roteiristas votam e aprovam acordo fechado por sindicato; festa do Oscar deve ocorrer.

Da BBC Brasil, BBC

08 Fevereiro 2013 | 04h00

Roteiristas de Hollywood, Estados Unidos, decidiram encerrar a greve de três meses e voltar ao trabalho. Membros do principal sindicato que representa os roteiristas de cinema e TV do país, a Writers Guild of America, votaram em Nova York e Los Angeles, dois dias depois da liderança do sindicato ter aprovado um novo acordo entre os roteiristas e os estúdios de cinema e televisão. A decisão foi aprovada na noite desta terça-feira por mais de 92% dos roteiristas que participaram da votação, que contou 3775 votantes. Segundo o correspondente da BBC em Los Angeles Peter Bowes os roteiristas devem voltar ao trabalho imediatamente. A greve levou à suspensão temporária de 60 programas de televisão e paralisou a produção de dezenas de filmes. Aprovação Os dois lados envolvidos na longa disputa aprovaram a decisão. Leslie Moonves, presidente da rede de televisão americana CBS, afirmou que foi um acordo justo, que foi aceito também pelos estúdios. Os roteiristas, por outro lado, afirmaram que estão satisfeitos com o novo contrato firmado. No sábado, o presidente do sindicato na costa oeste, Patric Verrone, e o presidente na costa leste, Michael Winship, disseram que o acordo "protege um futuro em que a internet se tornará uma fonte primária tanto de criação de conteúdo como de distribuição". "Ele cria fórmulas para pagamentos baseados no faturamento em novas mídias, estabelece o acesso a acordos e dados financeiros para nos ajudar a avaliar e fiscalizar tais fórmulas e estabelece o princípio de que, quando eles (os estúdios) são pagos, nós somos pagos." Cerca de 10,5 mil roteiristas americanos entraram em greve em cinco de novembro. A greve, que durou 14 semanas, foi a que causou mais prejuízos em Hollywood nos últimos 20 anos. O custo da greve foi estimado em mais de US$ 1,5 bilhão. Com o fim da greve os 60 programas de televisão suspensos e as dezenas de filmes cujas produções foram paralisadas serão retomados, mas a programação da televisão americana não deve voltar ao normal antes de abril. Segundo Bowes, a indústria do entretenimento teme que será necessário muito tempo para reconquistar os telespectadores que escolheram outras formas de diversão durante a greve. Mas, a cerimônia de entrega do Oscar, marcada para o dia 24 de fevereiro, foi a grande beneficiada, pois com o fim da greve, o evento deve ocorrer normalmente. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.