Greve dos roteiristas de Hollywood pode chegar ao fim

Estúdios e sindicato acertam últimos detalhes do acordo que trará a paz ao cinema e à TV americana

08 Fevereiro 2008 | 13h45

Os grandes estúdios e o sindicato dos roteiristas americanos estão acertando os detalhes finais de um acordo que pode colocar um ponto final na greve dos roteiristas. Nesta sexta-feira, é esperado que o contrato de três seja finalizado para que, no sábado, possa ser apresentado para os milhares de roteiristas em Los Angeles e Nova York. Com a aprovação e validação do acordo, acredita-se que Hollywood voltará a funcionar normamente em breve.  "Todos estão motivados para voltar ao trabalho o mais rápido possível", disse Jonathan Littman, presidente da Bruckheimer Television, que produz, entre outros títulos, a série CSI:Crime Scene Investigation. "Eles (os roteiristas) querem voltar a produzir muitos episódios inéditos", acrescentou.  Filmes que estavam atrasados por causa da greve podem voltar com força total, inclusive os projetos audaciosos da Columbia Pictures, como o longa-metragem O Código Da Vinci.  No verão passado, executivos e diretores dos grandes estúdios americanos aceleraram a agenda de produção para amenizar o impacto da greve. O resultado é que, no dia 5 de novembro - início da greve - o cinema não sofreu tantas perdas como a indústrila televisiva .  Para alavancar os programas de TV e "tirar o atraso" das séries, serão necessárias semanas de trabalho e um investimento milionário. Produtores executivos ainda avaliam quais os próximos passos a serem dados para fazer os programas fluírem sem que seja necessário perder muito dinheiro.  "Estamos pensando num investimento a longo prazo e na estabilidade dos negócios", disse um funcionário da ABC Studios.  Para o escritor Will Scheffer, a greve foi um verdadeiro sucesso. "Isso vai estabilizar a profissão", declarou. "Acho que mostramos que somos importantes no que fazemos." Mas, ponderando perdas e ganhos, Scheffer assimiu que "ninguém saiu completamente vitorioso. Todos saímos feridos e sangrando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.