Grego Kynodontas leva prêmio 'Um Certo Olhar' em Cannes

Heitor Dhalia, que concorria na categoria com 'À Deriva', afirma ter saido muito satisfeito de sua estreia

Flavia Guerra, correspondente de O Estado de S. Paulo,

23 de maio de 2009 | 18h07

O filme grego Kynodontas (Dogtooth, ou Dente Canino), de Yorgos Lanthimos, levou neste sábado, 23, o prêmio de Melhor Filme da mostra Um Certo Olhar, no 62º Festival de Cannes. Kynodontas é um 'drama familiar' capaz de causar estranhamento até nas mais cinéfilas das plateias.

Veja também:

blog  Acompanhe a cobertura de Cannes no Blog do Merten

video  Veja entrevista com Heitor Dhalia e Vincent Cassel

 

Resumidamente, o filme contra a história de uma família cujos pais criam seus três filhos isolados do mundo, em uma espécie de gaiola dourada, uma grande e confortável casa cercada por altos muros. A família segue várias regras, no mínimo, esdrúxulas, como a de que ninguém jamais pode sair da casa. E se o fizer, será somente quando o dente canino cair. Ou seja, nunca.

Tudo vai bem até que um elemento estranho (uma garota) entra na casa, e na vida desta família. É então que o desequilíbrio se estabelece. E a garota mais velha decide que quer que o tal do dente caia a qualquer custo. Grosso modo, Dogtooth poderia ser comparado a uma mistura cinematográfica de Saló com Teorema, com toques de Michael Haneke.

É a nítida a opção do júri, presidido pelo diretor italiano Paolo Sorrentino, de optar pela experimentação e a capacidade do cinema de provocar, e causar estranhamento, ainda que visual e sensorial, na plateia. Se esta foi a intenção, Sorrentino (diretor de Il Divo, que ganhou o Premio do Júri no ano passado), acertou em cheio.

À Deriva

Enquanto a plateia brasileira aguardava a premiação da 'Um Certo Olhar', já que 'À Deriva' era 'nosso' candidato, o diretor Heitor Dhalia não ficou preocupado com uma possível premiação. " Estas decisões de festival são sempre imprevisíveis e imponderáveis. Sei que o que digo 'e um grande clichê, mas só de estar aqui já foi incrível ", declarou Dhalia.

Dhalia, que vendeu 'À Deriva' para mais de uma dezena de países, ainda comemorou o sucesso do filme. " Minha carreira internacional começou agora. E muito forte. O filme teve ótima recepção. Foi vendido para o mundo todo. Além disso, fechei vários projetos futuros. Meu próximo filme, Serra Pelada, será filmado no começo do próximo ano e será uma coprodução da Celluloid Dreams Brasil e Paris."

Dhalia, que 'lançou' em Cannes a Celluloid Dreams Brasil, uma parceria entre a Celluloid Dreams Paris, ainda conta com o interesse de produtores americanos e ingleses para seu futuro projeto. " Realmente, agora posso dizer que existo no mercado internacional de fato. Nunca tive um filme visto no mundo todo. Isso é muita felicidade para um diretor", completou Dhalia, cujo' A Deriva' estreia no Brasil em de julho.

Levaram ainda outros prêmios os filmes Politist, Adjectiv (Prêmio do Júri), do romeno Corneliu Porumboiu; e Father of my Children (Prêmio Especial), de Mia Hansen-Love, e 'No One Knows About Persian Cats', do iraniano Bahman Ghobadi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.