Mostra América Negra de Cinema
Mostra América Negra de Cinema

Gratuita e online, mostra América Negra traz 35 filmes de dez países

'O Brasil do ponto de vista de produções sobre vivências negras, em relação à América Latina, está em lugares inimaginados para vários países da região', afirma o curador Heitor Augusto

Mariane Morisawa , Especial para o Estadão

05 de junho de 2021 | 05h00

Quando se pensa em cinema, os Estados Unidos ocupam um lugar central na narrativa – inclusiva na negra. “Como os Estados Unidos são uma potência imperialista, inclusive dos pretos, quando chega um produto, ele paralisa o debate cultural. Veja o que aconteceu com Black is King, da Beyoncé, por exemplo”, disse ao Estadão Heitor Augusto, curador da mostra América Negra, gratuita e online (sala54.com. br), que vai até o dia 13. O evento reúne 35 produções de dez países da América Latina, produzidos nos últimos 20 anos. “A ideia de descentralização e de conversa entre nós, entre latinos sobre negritude, não é só urgente, mas única”, disse Augusto.

Na pesquisa para montar a mostra, que contou com curadores e pesquisadores de outros países, Heitor Augusto notou temáticas em comum. “São principalmente três: o preto enquanto cultura, ou seja, as manifestações culturais, a importância do autorreconhecimento e do reconhecimento pelo Estado e do reconhecimento que não é do estrangeiro, e de onde vêm as nossas tradições.” 

Para ele, o discurso que cada país conta sobre si próprio, sua mitologia, aparece muito nos cinemas, que estão explorando essa negritude de maneiras diferentes. “O Brasil está em outro momento. E nós, como curadoria, observando o Brasil e que aqui há filmes e reflexões que não existem em outros lugares, usamos o Brasil para tensionar algumas afirmações”, disse. “O Brasil do ponto de vista de produções sobre vivências negras, em relação à América Latina, está em lugares inimaginados para vários países da região. Obviamente o Brasil para com o Brasil está muito aquém de onde deveria estar.” 

Por exemplo, na questão do cinema mais comercial. “Ao passo que na indústria americana, de forma genuína ou não, honesta ou não, esses conteúdos e essas questões estão lá. Por isso é importante sair do Brasil, física e metaforicamente, para ter mais medidas de comparação.”

A programação muda diariamente e gira em torno de temas em comum. O sábado (5) propõe conversas entre negros e os povos originários, em filmes como Amarração, da gabonesa brasileira Hariel Revignet. Há também programas dedicados a expressões culturais negras, tanto no domingo (6), que tem como destaque o colombiano Palenque, quanto na sexta (11). As produções da terça (8) mergulham no cinema de gênero. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.