Glauber, o crítico, é reeditado

Lúcia Rocha, na companhia do ensaísta e professor da USP, Ismail Xavier, autografa, hoje, no Espaço Unibanco de Cinema, a segunda edição de Revisão Crítica do Cinema Brasileiro, que o jovem e incendiário Glauber Rocha escreveu e publicou (pela Civilização Brasileira) em 1963.O livro, reeditado com capricho pela Cosac & Naify, se faz acompanhar de rico acervo fotográfico, programação visual ousada, denso prefácio de Ismail Xavier e virulenta fortuna crítica. Para marcar seu retorno ao mercado, depois de 40 anos, a editora, em parceria com a Cinemateca Brasileira e o Espaço Unibanco de Cinema, programou mostra composta de 13 longas e 4 curtas analisados por Glauber em sua polêmica Revisão Crítica.Hoje, no Espaço Unibanco, será exibido o filme Vidas Secas, de Nelson Pereira, que também comemora 40 anos de lançamento (ocorrido em novembro de 1963). Ismail Xavier, curador da mostra Glauber Crítico, justifica escolha do filme de Nelson para a noite inaugural: "Trata-se da primeira obra-prima do Cinema Novo. Glauber, embora não analise o filme no livro, já o tinha visto durante o processo de finalização." Mostra Glauber CríticoVidas Secas Nelson Pereira dos SantosGanga Bruta e Engenhos e Usinas Humberto MauroLimite Mário PeixotoCanto do Mar Alberto CavalcantiCangaceiro, Santuário e Painel Lima BarretoSai da Frente MazzaropiOsso, Amor e Papagaio Souza Barros & MêmoloEstranho Encontro Walter Hugo KhouriGran Momento Roberto SantosBahia Todos os Santos Trigueirinho NetoGarrincha e Couro Gato Joaquim Pedro AndraPorto das Caixas Paulo Cezar SaraceniOs Cafajestes Ruy GuerraEspaço Unibanco 4: Rua Augusta, 1.470, tel. 287-5590. Até 29/4. Sala Cinemateca: Largo Senador Raul Cardoso, 207, tel. 5084-2177. Até 4/5.O professor da USP, que cuida agora da reedição de outra obra crítica de Glauber (Revolução do Cinema Novo, Embrafilme/1981), para a mesma Cosac & Naify, lembra que Nelson é, junto com Humberto Mauro, o autor a quem Glauber dirige as melhores observações de sua Revisão Crítica. "Ele gostava tanto do Nelson, que fez questão - quando organizamos, sob supervisão dele, o Revolução do Cinema Novo - de escolher para a capa do livro, foto em que os dois apareciam juntos, em Cannes/74."Hoje, na sessão inaugural da mostra (só para convidados), Ismail fará "breve apresentação" de Revisão Crítica do Cinema Brasileiro e do filme Vidas Secas. Amanhã (na Sala Cinemateca, 21h30) discorrerá, aí num ciclo de palestras voltado para a reflexão, sobre o tema Glauber Rocha, o Crítico e o Cineasta. Na quinta, o pesquisador Duvaldo Bamonte abordará o tema Glauber Rocha e o Fórum Cinema-novista Italiano. Semana que vem (quarta, 21h30) Alfredo Manevy, Adílson Mendes e J.G. Pereira Leite avaliarão o interesse da Revisão Crítica do Cinema Brasileiro empreendida por Glauber.A aceitação da segunda edição do livro de Glauber (ele tinha 24 anos quando o escreveu) surpreendeu positivamente a Cosac & Naify. Apesar do preço salgado (R$ 45), o livro vem tendo ótima saída. "O capricho do projeto visual e o rico acervo fotográfico" - pondera Ismail - "exigiram tal preço." A repercussão do livro na imprensa (com resenhas elogiosas, que nem de longe lembram o fogo cerrado de 1963, registrado na fortuna crítica) também é "das mais animadoras". Por isso, o segundo volume da Coleção Glauber - Revolução do Cinema Novo - sai ainda este ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.