Gil recebe Cacá Diegues após show no Rio

O cineasta Cacá Diegues é um dos mais ferrenhos críticos do projeto de criação da Agência Nacional do Cinema e do Audiovisual (Ancinav), que o ministro da Cultura, Gilberto Gil, apresenta à Comissão de Educação e Cultura do Senado, na próxima terça-feira. Mas, ontem, ele deixou essas questões de lado e foi prestigiar a estréia carioca do amigo de mais de quatro décadas, com o show Eletroacústico, no Canecão. Cercados de gente famosa, como Vera Fisher, Carolina Dieckman, Lenine e outros, eles trocaram abraços e elogios. Na saída, Cacá explicou-se: "Não tenho nada contra o Gil, tenho é contra essa lei da Ancinav", disse. "Além disso ele é um democrata, conversamos muito e estamos nos entendendo."O show Eletroacústico foi gravado para lançamento em CD e DVD, e Gil o dedicou ao produtor Tom Capone, que cuidaria dele, mas morreu na semana passada, em Los Angeles, após a cerimônia do Grammy Latino. Com arranjos feitos para dançar e pular muito, o roteiro foi o mais político dos shows recentes do ministro/compositor. No repertório, predominaram músicas antigas dele, de Chico Buarque, Bob Marley e Luiz Gonzaga. Havia apenas uma inédita, La Lune de Goré, em francês, uma parceria com José Carlos Capinan, que também estava no show, com quem compôs também Soy Loco por ti América, em homenagem a Che Guevara nos anos 60.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.