Gil pede mais dinheiro e diz que agência não é "intervencionismo"

O Ministério da Cultura pediu a revisão da proposta orçamentária para este ano dos atuais 0,4% para 0,6%, o que representaria recursos entre R$ 500 milhões e R$ 600 milhões, disse na noite desta segunda-feira o ministro Gilberto Gil. Ele afirmou que o assunto deverá ser tratado nesta terça-feira em reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o ministro do Planejamento, Guido Mantega. Ele disse que os recursos serão aplicados na complementação de programas "subfinanciados hoje em dia", em diferentes áreas.Gilberto Gil defendeu a criação da Agência Nacional de Cinema e Audiovisual (Ancinav) e disse que ela "significa intervencionismo". De acordo com o ele, embora polêmico, o projeto tem recebido apoio de vários sindicatos representativos. "A polêmica é natural do parto, são dores naturais do parto", afirmou.O ministro alegou que "todas as outras áreas, como o setor elétrico, de comunicações e de águas" dispõem de um marco regulatório dirigido por uma agência de governo. "O setor de audiovisual precisa criar uma agência já no seu início o mais aperfeiçoada possível, e isso tem que ser feito entre nós governo e a sociedade." Para ele, a nova regra "precisa ser feita com nada menos do que é necessário, porque é déficit, e nada mais que é suficiente, porque é exorbitância".

Agencia Estado,

09 de agosto de 2004 | 21h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.