EFE
EFE

Gérard Depardieu diz que se sente muito russo e que não gosta dos americanos

Conhecido por suas declarações polêmicas, ator garante sentir-se orgulhoso de seu passaporte, que recebeu das mãos de Putin

EFE

08 Outubro 2015 | 15h35

O ator francês Gérard Depardieu, que obteve a nacionalidade russa há mais de dois anos e meio, assegurou nesta quinta-feira, 8, que não se arrepende disso, se sente muito russo e que não gosta dos americanos.

"Não, jamais", afirmou o ator ao ser perguntado hoje em Moscou se com a atual situação política e as sanções à Rússia não preferiria ser americano.

"Não gosto dos americanos, nem seus filmes, nem sua cultura. É um povo que destruiu outros todo o tempo. Brigaram entre eles, destruíram os índios, depois montaram a escravidão e depois a Guerra de Secessão", disse o ator a jornalistas russos.

"Também são os primeiros que utilizaram a bomba atômica. Por todas partes onde passam vão deixando merda. Não, prefiro ser russo, e, se os europeus deixassem de escutar os americanos, eu estaria ainda mais contente", reforçou.

Depardieu, conhecido por suas declarações polêmicas, garantiu sentir-se orgulhoso de seu passaporte russo, que recebeu em janeiro de 2013 das mãos do presidente Vladimir Putin após renunciar à cidadania francesa pela decisão do governo de François Hollande de elevar a 75% os impostos aos mais ricos.

Sobre seus planos na Rússia, disse estar pensando em comprar um apartamento em Moscou e "uma casinha em Saransk", na república russa da Mordóvia, onde está recenseado.

"Por todas as partes onde vou, inclusive nos Estados Unidos, todos me pedem que mostre o passaporte russo. E eu o mostro", concluiu.

 

Mais conteúdo sobre:
cinema Gérard Depardieu

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.