George Clooney se diz admirador do senador Barack Obama

O ator George Clooney disse ser admirador do senador de Illinois Barack Obama, um dos candidatos à nomeação democrata para a Presidência dos Estados Unidos. Obama é "uma verdadeira estrela do rock" do Partido Democrata, disse Clooney, acrescentando que "nunca encontrei ninguém assim: quando entra em um lugar, todo mundo se cala para ouvi-lo". Em declarações ao jornal britânico The Daily Telegraph, Clooney, de 45 anos, disse que Obama era uma personalidade "magnética e carismática", como não se conhece há muito tempo, e afirmou que estaria disposto a "coletar fundos para ele". Assim como seu amigo e também ator Brad Pitt, Clooney aproveita o fato de ser famoso para ajudar os desfavorecidos e viajou ao Chade e a Darfur, onde trabalhou com o Comitê Internacional de Resgate para chamar a atenção sobre o genocídio. Clooney nem sempre exige, segundo o jornal, os milionários cachês que correspondem à sua categoria como ator. Cachê depende do projeto Assim, por Syriana, que deu a Clooney o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, o ator recebeu menos de US$ 600 mil (R$ 1,2 mil). Ele também escreveu e dirigiu praticamente de graça o filme Boa Noite e Boa Sorte, baseado na história verídica do jornalista Ed Murrow, que se propôs a lutar contra a caça às bruxas do senador americano McCarthy. "A questão é fazer filmes nos quais acreditamos. É algo do que fico orgulhoso", disse Clooney, cujo mais recente filme é "O Segredo de Berlim", filme de suspense policial cuja ação ocorre na Berlim de 1945. O próximo projeto de Clooney é uma comédia romântica intitulada Leathernecks, que se passa em 1923 e cujo roteiro foi escrito pelo próprio ator.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.