Geoffrey Rush encarna os humores de Peter Sellers

Depois de viver Leon Trotsky e o Marquês de Sade, Geoffrey Rush encarna o gênio cômico Peter Sellers, da série A Pantera Cor de Rosa e Dr. Strangelove, ou Como Eu Aprendi a não Ter Medo e a Amar a Bomba, de Stanley Kubrick. The Life and Death of Peter Sellers acaba de ser apresentado no Festival de Cannes, com destaque para a performance de seu ator principal, vencedor do Oscar por Shine - Brilhante. No elenco, outro vencedor do Oscar - que Sellers nunca conseguiu ganhar -, a atriz sul-africana Charlize Theron.Para interpretar Sellers, Geoffrey Rush passou por uma verdadeira transformação. À parte a construção de um personagem polêmico e temperamental, Rush tinha de passar por uma sessão de maquiagem de cinco horas em média, com direito a implantes de dentes, nariz, queixo, lábios, bochechas e 38 perucas.A produção segue a ascensão de Sellers, de suas performances na rádio britânica à bem sucedida carreira em Hollywood, e depois sua reclusão em um chalé na Suíça. Desde o começo, o filme mostra que Sellers não era uma pessoa fácil de lidar. No início de carreira, apaixona-se pela diva Sophia Loren. Sem ser correspondido, decide confessar a paixão à sua mulher e filha, que perguntam se ele ainda as ama. Ele responde: "Claro. Mas não tanto quanto amo Sophia".Alguns dos bons momentos do filme acontecem com Rush interpretando os personagens de Sellers. Em um deles, o ator recebe a visita da mãe no set de Dr. Strangelove, e se recusa a deixar de viver o personagem título, o rude cientista de braço biônico. Cenas como esta aconteceram na vida real, garante o diretor Stephen Hopkins. O filme sugere que Sellers era tão competente encarnando outros tipos, que não chegou a se agarrar a sua própria personalidade. "Se você quiser conhecer Sellers, tem de assistir muito a seus filmes, porque foi o único jeito que ele encontrou de se expressar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.