Michael Sohn/ AP
Michael Sohn/ AP

Geoffrey Rush deixa Academia de Cinema australiana após acusação de 'conduta imprópria'

Ator disse desconhecer os detalhes das acusações contra ele

AFP

02 Dezembro 2017 | 13h04

O ator Geoffrey Rush, ganhador do Oscar, pediu demissão neste sábado, 2, da presidência da Academia de Cinema australiana, após a revelação de acusaçõses contra ele de "conduta imprópria".

Rush, que nega as acusações, renunciou ao cargo na AACTA, que presidiu por vários anos, afirma a organização em um comunicado.

"A AACTA confirma a decisão de Geoffrey Rush de se afastar de forma voluntária do cargo de presidente da Academia, e aceita e respeita a sua decisão", diz o texto.

"Estamos muito preocupados com a situação e apoiamos um procedimento que respeite tanto o direito de Geoffrey à presunção de inocência e a um processo justo, como também a boa gestão da direção nestas circunstâncias", acrescenta, sem dar detalhes.

Rush, 66, pediu demissão depois que a Companhia de Teatro de Sydney revelou, na semana passada, que havia recebido uma denúncia acusando o veterano ator australiano de "conduta imprópria" quando trabalhava na empresa.

** Diretor de animação da Disney, John Lasseter sai de licença por 'comportamento inadequado'

Não foram divulgados detalhes sobre o tipo de comportamento ou a pessoa que apresentou a queixa, mas a imprensa australiana indicou que as acusações estariam relacionadas à época em que Rush atuava em Rei Lear, em 2015 e 2016.

Em um comunicado divulgado pela rede ABC, Rush disse desconhecer os detalhes das acusações contra ele.

** Kevin Spacey é substituído em filme com estreia marcada para dezembro

"Desde o momento em que soube dos rumores de denúncia, falei imediatamente com a direção da Companhia de Teatro de Sydney pedindo um esclarecimento dos detalhes do comunicado. Eles se negaram a me dar detalhes", disse.

Rush ganhou o Oscar de melhor ator em 1997 por seu papel em Shine, e é um dos poucos intérpretes a ter sido premiado com o Emmy e o Tony.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.