Ganhar um Oscar é uma benção ou uma maldição?

É temporada de premiações em Hollywood e todos os tapetes vermelhos conduzem ao Oscar. Mas ganhar esse prêmio tão prestigiado às vezes conduz o felizardo apenas a maus papéis posteriores ou até mesmo ao esquecimento."Isso é conhecido como a maldição do Oscar e é uma coisa muito real", comentou o especialista em cinema Tom O´Neil, colunista de prêmios do site The Envelope). "O maior sonho de um ator pode acabar se convertendo em seu maior pesadelo."Vários atores premiados como o Oscar, como F. Murray Abraham, Brenda Fricker, Linda Hunt, Marlee Matlin e Louise Fletcher, são nomes pouco conhecidos do grande público, apesar de terem recebido o prêmio mais cobiçado do cinema.Outros ganhadores do Oscar mais famosos, como Gwyneth Paltrow e Richard Dreyfuss, dizem que receber o prêmio lhes acarretou problemas pessoais e profissionais."Vários vencedores do Oscar, desde Joan Fontaine até Gwyneth Paltrow e Richard Dreyfuss, já disseram que foi uma maldição", observou O´Neil, afirmando que o Oscar fez de Gwyneth uma atriz muito cara para ser contratada, quando tinha apenas 26 anos. E que Richard Dreyfuss, depois de receber o Oscar por sua atuação em A Garota do Adeus, de 1977, mergulhou numa espiral descendente por algum tempo, dependente de drogas e atuando em uma série de fracassos comerciais.Gwyneth foi premiada por seu trabalho em Shakespeare Apaixonado e disse que não estava psicologicamente preparada para encarar a pressão, o que a levou a fazer várias escolhas equivocadas."Acho que parte da desvantagem de ser tão bem sucedida e receber um Oscar aos 26 anos de idade é que eu comecei a agir com despreocupação em minhas escolhas. Eu pensava, ´vou escolher isso pela curtição, ou farei aquilo pelo dinheiro´. São coisas que hoje eu não faria de maneira nenhuma", teria dito a atriz, segundo o site que oferece dados sobre cinema Internet Movie Database (Imdb).Louise Fletcher, que recebeu o Oscar de melhor atriz pelo papel da inflexível enfermeira Ratched em Um Estranho no Ninho, depois disso só encontrou papéis em filmes B, como O Exorcista 2 - O Herege, Chamas da Vingança e O Jardim dos Esquecidos. "Ganhar o Oscar deixa você tremendamente feliz por uma noite", comentou Louise no passado. "Mas não espere que a ajude em sua carreira." RazzieDe fato, muitos ganhadores do Oscar parecem ter mergulhado para níveis bem inferiores após o prêmio. Halle Berry, Faye Dunaway e Liza Minelli ganharam tanto um prêmio de melhor atriz da Academia quanto o prêmio Razzie, o "Oscar" concedido aos piores trabalhos do cinema em cada ano.Depois de receber o Oscar por sua atuação em A Última Ceia, de 2001, um dos primeiros papéis em que Halle Berry foi vista depois disso foi o papel-título de Mulher-Gato.Tom O´Neil disse que a lista se estende. Ele citou vencedores do Oscar como Rita Moreno (Amor, Sublime Amor), Dianne Wiest e Cuba Gooding Jr., todo que lutaram muito para recapturar a glória depois de ganhar o Oscar."Às vezes as pessoas ganham porque os astros estão perfeitamente alinhados, e o ator perfeito encontrou o papel perfeito no momento ideal, mas isso não garante que o sucesso vá se repetir", disse Leonard Maltin, crítico de cinema e historiador no programa de notícias sobre o entretenimento Entertainment Tonight.Maltin disse que nos círculos de Hollywood esse fenômeno é conhecido como "a síndrome de F. Murray Abraham", numa referência ao célebre ator de teatro que recebeu o Oscar de melhor ator por seu papel em Amadeus, de 1984, mas desde então tem tido muito pouco destaque."Ele foi ótimo em Amadeus e ele é um grande ator, mas, seja quais forem as razões ou a combinação de razões, ele não voltou a ter uma oportunidade semelhante no cinema, embora tenha continuado a trabalhar no palco", disse Maltin, observando que Louise Fletcher é o exemplo perfeito do mesmo fenômeno.Para Maltin, vários fatores podem contribuir para que alguns atores nunca repitam seu sucesso no Oscar, incluindo as más escolhas, o azar, os maus empresários ou o fato de deixarem que o sucesso suba à cabeça. "É difícil fazer carreira no mundo do cinema e é igualmente difícil manter essa carreira", disse ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.