"Gabrielle" e "Proof" levam à reflexão, em Veneza

Dois filmes que analisam diferentes aspectos da falta de comunicação humana - Gabrielle, do francês Patrice Chéreau, e Proof, do britânico John Madden - foram projetados hoje na seção competitiva oficial da 62.ª edição do Festival de Cinema de Veneza. Após a história do amante desconhecido de Intimacy e o misterioso irmão que protagoniza Son Frère - fitas que conquistaram, respectivamente, um Urso de Ouro e um Urso de Prata nos Festivais de Berlim de 2001 e 2003-, o diretor francês Patrice Chéreau adapta nesta ocasião à tela um conto inesperadamente apaixonado do grande escritor Joseph Conrad. Trata-se de O Retorno, no qual o casal protagonista enfrenta sua incapacidade de se comunicar na Paris anterior à Primeira Guerra Mundial, em 1914. O homem - um muito convincente Pascal Greggory - é obcecado por controlar tudo o que o circunda, e a mulher - extraordinário trabalho de Isabelle Huppert - se sente profundamente insatisfeita. O drama desencadeia-se quando ela tenta fugir com outro, deixa uma carta ao marido, mas não se atreve e acaba retornando ao lar. Como em todos os filmes de Chéreau, a cenografia, as roupas de época e a fotografia são extraordinariamente bem cuidados. Falha, por outro lado, o núcleo da trama que, aparentemente, fica antiquado e perde força. A idéia de um homem para quem sua mulher é somente um objeto de coleção poderia ser um fato rotineiro no início do século 19, quando Conrad escreveu o relato, mas, atualmente, a história corre o risco de perder interesse pela obviedade da situação. Na entrevista coletiva posterior à exibição, Chéreau disse que agora pode reconhecer honestamente que, com Gabrielle, chegou a pensar que "estava lutando por uma causa perdida". Alguns meses depois, no entanto, "tinha um roteiro bem estruturado embora o que se dizia nos diálogos me parecia muito importante e a atuação dos protagonistas, excessivamente perfeita". "Rodei este filme muito rápido - acrescentou -, sem pensar muito, mas com um intenso sentimento de pânico. Sentia a necessidade de lançar este filme como uma garrafa ao mar. No entanto, me surpreendeu enormemente a maneira como os atores responderam. Na fita tudo foi paradoxal: filmei rapidamente mas atuação foi muito lenta". Ele acrescentou que nesta fita pode "utilizar tudo que o teatro ensinou". Estas palavras do diretor são importantes, porque se retirada uma parte, Gabrielle pode ser considerada uma obra de teatro filmada. Chéreau, que nasceu em 1944, é considerado um dos melhores diretores de seu país. Seu filme mais conhecido pela crítica internacional é A Rainha Margot (1994). Como em outros filmes sobre o gênio e a loucura, em Proof Madden analisa os limites entre ambos os estados mentais, se centrando na pouca comunicação produzida pela deterioração física. O estudo, no entanto, é superficial. Madden é inglês, mas o filme é americano e, como em muitas obras dessa nacionalidade, os diálogos são infantis. O excelente trabalho dos dois protagonistas (Gwyneth Paltrow e Anthony Hopkins) tira-o da mediocridade. Trata-se de uma adaptação da obra teatral homônima de David Auburn que obteve o Pulitzer e um prêmio Tony em 2002. A base da fita é o complexo de culpa que surge na filha de um matemático famoso que sofre uma doença degenerativa no cérebro, ao descobrir uma fórmula que seu progenitor tinha buscado durante anos. Quando o homem morre, ela fica vazia de sentimentos e interesses. Com a ajuda de um aluno de seu pai, recuperará o interesse pela vida. O filme mais conhecido de Madden é Shakespeare Apaixonado, de 1998, que também foi protagonizado por Gwyneth Paltrow e lhe rendeu um Oscar de melhor atriz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.