Futuros cineastas fazem estágio no videoclipe

A produção de vídeos promocionais deartistas pop virou a maior vitrine de trabalhos visuais nomundo. Diretores de videoclipes ganham cada vez mais poder nomercado americano. Além do sucesso de nomes específicos, comoSpike Jonze (que concorreu ao Oscar por Quero Ser JohnMalkovich) e Hype Williams (que também inicia uma promissoracarreira em Hollywood com o filme Belly), outrosprofissionais que começaram na música estão hoje entre os maisconcorridos criadores de comerciais do mundo, enquanto outrosganham reconhecimento no mundo das artes. Não é de hoje que a produção de clipes funciona como escola paradiretores (Jake Scott, de Plunkett & Macleane, e MarkPellington, de Arlington Road, começaram fazendo vinhetas naMTV americana dos anos 80), mas hoje a penetração deles no mundodo cinema e dos comerciais é muito maior, caracterizando aatividade como um tubo de ensaio para carreiras cada vez maispromissoras. "Dirigir videoclipes faz você exercitarextremamente a criatividade e ainda trabalhar em condições emgeral muito desfavoráveis, já que os orçamentos são bemdiferentes dos praticados em comerciais", explica a diretoraBetsy Blakemore, premiada pelo clipe do artista de rap Mos Def,Black on Both Sides.O mundo do hip hop é um dos mais promissores do mercado. Foidirigindo nomes como Busta Rhymes, Puff Daddy e Nas que HypeWilliams se firmou como um dos mais poderosos e influentesdiretores dos Estados Unidos. O trabalho dele está compilado emum novo DVD, batizado de The Video, que inclui dez de seusprincipais trabalhos, sempre com entrevistas e cenas de makingof. O lançamento é oportuno, já que ele vai deixar de lado osclipes para dirigir grandes produções de Hollywood. Assim comoMcG, que está atualmente dirigindo a continuação de AsPanteras, Williams deve levar a estética black americana parao mainstream. "Quero ajudar a abrir as portas do cinema para acultura negra", disse ele à revista americana The Source.Da recém-divulgada lista dos mais poderosos diretores decomerciais compilada pela influente revista americanaCreativity, boa parte deles tem muitos videoclipes nocurrículo. É o caso de Spike Jonze, que aparece no segundolugar: além de ter feito inúmeros vídeos de skate, ele dirigiupremiados clipes de Björk, Fatboy Slim e Beastie Boys.Atualmente, trabalha em seu segundo filme, Adaptation. Acooperativa sueca de criação Traktor, que está na quarta posiçãoda lista e é composta por vários profissionais, tem sidopremiada sucessivamente em Cannes e também por vídeos deartistas como Basement Jaxx e Fatboy Slim.O casal Valerie Faris e Jonathan Dayton, que nos anos 90 ficouconhecido por premiados clipes do Smashing Pumpkins e do Red HotChili Peppers, hoje é responsável por bem-sucedidas campanhas declientes que vão da MTV à Volkswagen. Roman Copolla, que, apesardo sobrenome famoso ficou conhecido por clipes de bandas comoThe Strokes e The Vines, teve seu primeiro longa-metragem,CQ", elogiado pela crítica européia e americana.Também fazendo carreira no cinema estão Michel Gondry, conhecidopor clipes de Björk, Radiohead e Sinéad O´Connor, que lançou hápouco tempo o filme experimental Human Nature, e Tarsem,diretor de Losing My Religion, do R.E.M., que chamou atençãocom o filme A Cela, com Jennifer "J.Lo" Lopez, e agoradesenvolve um novo longa-metragem, ainda sem título. Os doisaparecem em terceiro e quarto lugares, respectivamente, da listados diretores de comerciais internacionais mais importantes domundo, compilada pela Creativity.A arte dos videoclipes também tem legitimado a carreira defotógrafos e artistas plásticos na Europa e nos Estados Unidos.A ítalo-americana Floria Sigismundi, por exemplo, dirigiu clipesde David Bowie, Marilyn Manson e Björk e atualmente fazexposições simultâneas de fotografias e trabalhosmultidisciplinares no Canadá e na Holanda. O casal de fotógrafosInez van Lamsweerde e Vinoodh Matadin, que já era conhecido nomundo da moda por campanhas de marcas como a Gucci, passou amostrar trabalhos em museus e galerias de todo o mundo depois deassinar trabalhos com Björk.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.