Francis Coppola critica de Niro, Al Pacino e Jack Nicholson

Em entrevista, o cineasta americano acusa os três atores de terem ficado 'apáticos' em seu trabalho

EFE,

07 Outubro 2019 | 11h18

O cineasta americano Francis Ford Coppola criticou duramente três dos atores mais respeitados de Hollywood e com quem trabalhou - Al Pacino, Robert De Niro e Jack Nicholson -, acusando-os de terem ficado "apáticos" em seu trabalho.   Em entrevista à edição de novembro da revista GQ, à venda na próxima terça-feira, Coppola afirmou que não sente que eles mantenham a mesma "paixão" pela profissão e que "vivem de renda".   O diretor de 68 anos trabalhou com Pacino e De Niro em O Poderoso Chefão II (1974) e com Nicholson em The Terror (1963), produzido por Roger Corman.   "Conheci Pacino e De Niro quando eles estavam ficando conhecidos; eram jovens e inseguros. Agora Pacino é muito rico, pode ser porque nunca gasta dinheiro, só guarda no colchão", ironizou.   O diretor de Apocalypse Now! (1979) admitiu que a paixão de Pacino desde jovem sempre foi o teatro.   "De Niro se inspirou profundamente na Zoetrope (a produtora de Coppola) e criou um império rico e poderoso", disse, em referência à produtora Tribeca, do ator.   "Acho que se houvesse um papel que o apetecesse, De Niro pegaria, mas não acho que Jack (Nicholson) faria o mesmo", acrescentou.   Nicholson "tem dinheiro, influência e mulheres, e acho que se parece um pouco com (Marlon) Brando. Só que Brando atravessou alguns momentos difíceis", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.