A.M.P.A.S
A.M.P.A.S

Fragmentos de autobiografia de Orson Welles são localizados

Material estava com Oja Kodar, sua companheira nos últimos anos de vida

New York Times

21 de maio de 2015 | 13h04

Outro trabalho incompleto de Orson Welles está prestes a vir à luz. Arquivistas da Universidade de Michigan afirmaram nesta semana que descobriram fragmentos de uma autobiografia em meio a papéis recém-adquiridos de Oja Kodar, sua companheira nos últimos anos de vida. Com o título provisório de Confessions of a One-Man Band, os escritos parecem datar dos anos 1970, e são compatíveis com os fragmentos adicionais de outros arquivos de Welles em poder da universidade. "O material está disperso, ainda estamos fazendo a triagem", disse Philip Hallman, curador de arte da instituição.Os papéis chegaram da Croácia na semana passada, onde foram guardados por Kodar. Não foi revelado o valor da aquisição. 

A descoberta ocorre no momento do centenário e de reavaliação do trabalho de Welles. Um grupo de produtores trabalha para finalizar The Other Side of The Wind, filmado por ele nos anos 1970. Uma campanha de crowdfunding foi feita para obter dinheiro que custeará sua montagem, trilha sonora e pós-produção. Até agora, eles obtiveram US$ 206 mil de US$ 2 milhões pretendidos.

Famoso por filmes como Cidadão Kane, Welles foi um criador inquieto que deixou pra trás projetos nunca finalizados. O livro de memórias, segundo Hallman, estava em meio a "coisas estranhas" dos papéis de Kodar, incluindo roteiros de shows de mágica que o diretor fazia. O curador ainda afirma que não se sabe se o livro está completo o suficiente para ser publicado. "Esperamos fazer isso", diz.

Hallman e a arquivista Kathleen Dow leram alguns dos papéis, que revelam os encontros de Welles com outros artistas. "Não me admiro de ele me odiar", disse o diretor cobre o colega D.W. Griffith, segundo Hallman. Welles explica que Griffith estava vivendo "um exílio em sua própria cidade", enquanto ele obtinha um contrato com um estúdio de cinema. Dow afirma que o livro traz passagens do encontro de Welles com Ernest Hemingway em uma noitada de vinho, após o escritor ter vencido o prêmio Nobel de literatura. 

Para Dow, serão necessários cinco meses para organizar os papéis para acesso público. No início de junho, Kodar irá a um seminário sobre Welles na instituição. Será algo incomum, que Welles apreciaria. Em uma das apresentações do evento, haverá música tocada por uma banda com instrumentos de brinquedo. Kodar, acrescentou, pode ter algo a mais na manga. "Ela pediu para dizer que está planejando fazer truques de mágica com o público", diz Hallman.

Mais conteúdo sobre:
Orson Welles

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.