Fotos revelam povo "esquecido" na África

Uma equipe de documentaristas russos registrou recentemente imagens dos surmas, povo que ocupa uma área remota no sudoeste da Etiópia e que não tinha contato com ocidentais há cerca de 35 anos. O documentário intitulado Donga: Porque Nós Lutamos foi realizado por Sergei Vertelov, Leonid Kruglov e sua equipe. O contato anterior dos surmas com o "homem branco" havia ocorrido durante uma campanha de vacinação contra poliomielite na década de 1970. Veja galeria de fotosUm documentário anterior feito pela mesma equipe mostrou a rota seguida por Aleksandr Bulatovich, um coronel russo que ajudou seus correligionários cristãos ortodoxos na Etiópia a resistirem aos poderes coloniais no final do século 19.A única novidade em seus costumes mantidos há séculos pelos Surma é a adoção do fuzil de assalto Kalashnikov. A arma é usada num momento em que os Surma enfrentam o povo Bumi, de Uganda, que ataca seu território. O documentário intitulado Donga: Porque Nós Lutamos mostra o depoimento de Aripula e seu filho adotivo. Eles falam da tradicional forma de combate - donga - ainda praticada para resolver divergências na comunidade. Há um código de conduta rigoroso para os lutadores. Eles estão proibidos de usar o bastão de madeira - a arma permitida na donga - como baioneta e não podem segurá-la na posição horizontal.Se um dos lutadores mata o oponente, uma de suas parentes é entregue para a família do morto como compensação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.