Reprodução
Reprodução

Fotos inéditas de Marilyn Monroe nua são publicadas por revista

'Vanity Fair' mostra imagens da atriz após sair de piscina e fala da rivalidade com Elizabeth Taylor

EFE

02 de maio de 2012 | 12h58

Uma série de fotos inéditas da atriz Marilyn Monroe nua serão publicadas na edição de junho da revista Vanity Fair, que mostrou na terça-feira em seu site uma prévia dessa reportagem com testemunhos do fotógrafo responsável pelas imagens.

Sob o título de A Splash of Marilyn, a publicação mostra imagens da célebre atriz logo após sair da piscina e fala de suas inseguranças, frustrações profissionais e rivalidade com Elizabeth Taylor.

O texto é uma adaptação das memórias do fotógrafo Lawrence Schiller, a quem a atriz de Quanto Mais Quente Melhor pediu expressamente que a retratasse sem roupa para tentar roubar atenção de Liz Taylor.

Schiller tinha 23 anos quando retratou Marilyn nua, após prometer a ela que Liz Taylor não apareceria nas edições em que suas fotos fossem publicadas.

Marilyn assinara um contrato de US$ 100 mil para atuar no que seria seu último filme, Something's Got to Give, enquanto Taylor na época cobrava US$ 1 milhão por Cleópatra e revolucionara Hollywood por sua relação com o ator Richard Burton.

Marilyn Monroe queria demonstrar aos estúdios Fox, com os quais trabalhava, que era capaz de gerar tanto interesse no público quanto a "rival".

A Playboy acabou pagando US$ 25 mil pela nudez de Marilyn, a maior quantia desembolsada até então pela revista por uma fotografia, e Schiller agradeceu à atriz por isso.

"Não há ninguém que fique como eu sem roupa", orgulhou-se a atriz, que, apesar de tudo, sentia-se rejeitada, segundo contou o fotógrafo.

"Deixe-me perguntar, Larry: quantas indicações ao Oscar eu tenho?", disse ela. "Não sei", respondeu ele. "Eu sim, nenhuma", se queixou Marilyn, que se questionava se a única coisa que reparavam nela eram os seus atributos físicos.

"Quero demonstrar que posso conseguir publicidade sem usar meu traseiro ou sem ser despedida de um filme", contou a atriz, que também confessou seus desejos de ser mãe, embora lhe aterrorizasse a ideia de ter um filho.

No dia anterior ao de sua morte, por overdose de barbitúricos em 5 de agosto de 1962, a atriz enviou a Schiller a fotografia de que mais gostava para que fosse publicada na "Playboy".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.