Fotógrafo é liberado de fazer exame de DNA

Um fotógrafo suspeito de plantar uma escuta na casa da atriz e vencedora de um Oscar Nicole Kidman, em Sydney, na Austrália, não terá que fazer exame de DNA como queria a polícia, conforme determinou hoje uma decisão judicial.Um dos guardas de segurança de Nicole pegou o fotógrafo na calçada do lado de fora do jardim de sua mansão, em janeiro.A policia alegou que o fotógrafo de celebridades Jamie Fawcett, de 43 anos, foi capturado pela segurança perto da casa em um momento muito próximo ao que a escuta foi encontrada.Em abril, a corte de Waverley comunicou a Fawcett o pedido da polícia para que ele fornecesse uma prova de DNA para ser comparada com amostras que teriam sido encontradas no aparelho de escuta.Mas Fawcett apelou contra a decisão judicial, que corre na Corte Suprema de New South Wales, que decidiu nesta terça-feira que ele não poderá ser forçado a fornecer material para teste de DNA, porque não há evidências de que ele tenha violado alguma lei."Não foram apresentadas evidências à corte de que o aparelho foi usado alguma vez para gravar ou escutar a alguma conversa", disse o juiz Michael Grove em sua decisão.Ele também ordenou ao detetive Malcolm Nimmo, que levou o problema para a corte, que pague os custos do processo.Do lado de fora da corte, Fawcett disse que estava aliviado porque o caso tinha acabado."Eu estou realmente feliz por que o bom senso prevaleceu", disse aos jornalistas. "Eu pensei que por um longo tempo que isso não acabava nunca e estou muito feliz por ter terminado".No começo do ano, Nicole fez um acordo fora da corte com Fawcett e seu colega Ben McDonald, de 32 anos, depois que ela conseguiu um mandado temporário que os impedia de segui-la e de fazê-la sentir-se como uma prisioneira em casa.Nicole ganhou o Oscar de melhor atriz por sua atuação no papel da escritora inglesa Virginia Woolf no filme As Horas, de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.