Fotógrafo condenado por chantagear Cameron Diaz

Um fotógrafo que tirou fotos da atriz Cameron Diaz de topless antes de ela ficar famosa foi condenado por falsificação, tentativa de roubo e perjúrio, hoje, por um plano de venda das fotos para a atriz, onze anos depois, por milhões de dólares. O fotógrafo John Rutter, de 42 anos, vai ter de enfrentar seis anos de prisão. A data da sentença foi marcada para 15 de setembro.A atriz tinha 19 anos e era uma modelo aspirante quando as fotos foram feitas, em 1992. Ela posou usando apenas botas de couro e meia arrastão em um depósito. Durante o julgamento de quase duas semanas, Rutter disse aos jurados que pensou que Cameron tinha assinado uma licença dando-lhe direito a uso das fotos.Ele disse que não tinha percebido que o documento que tinha era falso quando fez a oferta de venda para Cameron por US$ 3,5 milhões, pouco antes do lançamento de As Panteras - Detonando, em 2003.Rutter disse ao júri que estava apenas dando à atriz o "direito de recusar a primeira vez" antes de oferecer as fotos para outros compradores.Cameron testemunhou que Rutter disse-lhe que ia "usar isto contra você", ao mostrá-la como "um anjo mau" em uma grande revista e em anúncios. Quando ela não quis revelar quem eram os possíveis compradores, ela suspeitou de chantagem e entrou em contato com as autoridades, que organizaram uma operação de investigação.A acusação de Rutter por roubo se refere ao suposto plano de chantagem. A de falsificação pela assinatura no documento de autorização de uso das fotos e a de perjúrio por declarar em outro processo que a assinatura era verdadeira. Este caso ainda está pendente.O juiz Michael E. Pastor concordou com os acusadores que Rutter era um risco, revogando a fiança paga pelo fotógrafo e ordenando que ele ficasse sob custódia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.