Marlene Bergamo/Divulgação
Marlene Bergamo/Divulgação

Fórum da Mostra debate criatividade, economia dos filmes e política cultural

Evento gratuito será realizado no Itaú Cultural e está ligado à programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

24 Outubro 2018 | 06h00

Em seu editorial no catálogo da 42.ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Renata de Almeida diz que a palavra dá a tônica do evento deste ano, a começar pelo pôster e a vinheta, que a artista conceitual Laurie Anderson tirou de sua instalação em realidade virtual, The Chalkroom. Uma porta de luz abre-se num quarto escuro em que as paredes estão cobertas por palavras, desenhos e letras. E tem o Jean-Luc Godard, claro – Imagem e Palavra. O que a Mostra está querendo nos dizer é que o cinema, o audiovisual, não é feito só de imagens, mas de palavras – o cinema literário e teatralizado do turco Nuri Bilge Ceylan, de A Árvore dos Frutos Selvagens –, e que a par de desfrutar, esteticamente, os filmes, devemos discuti-los.

Começa nesta quarta, 24, a segunda edição do Fórum da Mostra, no Itaú Cultural. Durante três dias, até sexta, 26, a Mostra organiza mesas de debates para tentar dar conta do estado do cinema, no Brasil e no mundo. A coordenadora Ana Paula Sousa esclarece – “Teve muita gente pensando para dar ao Fórum a dimensão que achamos que ele deve ter. É totalmente casado com a programação, e o produto de muitas mentes, não apenas da minha. Dividimos em três grandes blocos, começando com a criatividade. ‘De Onde vêm os Filmes?’, e aí questões como a literatura (e as adaptações) são essenciais. Nesse primeiro dia, teremos a participação do escritor Drauzio Varella, que vai falar sobre sua relação com o cineasta Hector Babenco e o processo criativo de obras adaptadas de seus livros Carandiru e Carcereiros.”

A mesa do Dr. Drauzio será a terceira de hoje, 24 – Da Vida à Palavra, da Palavra à Imagem, das 16h30 às 18h30. Vale lembrar que ele recebe este ano o Prêmio Humanidade, ex-aequo com o cineasta japonês Hirokazu Kore-eda. A homenagem inclui a apresentação do curta Conversa com Ele, de Bárbara Paz, que retrata um diálogo entre Babenco e Dr. Drauzio e será apresentado antes da versão restaurada de Pixote, dia 27, às 19h30, no CineSesc. Na quinta e sexta, os temas serão – ‘Como Fazer um Filme Existir?, com a discussão da economia do cinema; e ‘Que Futuro Tem a Cultura?’, sobre políticas culturais ameaçadas neste momento da História do País. O Fórum é gratuito, mediante a distribuição de senhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.