Fofoca cerca estréia de "Prova de Vida"

O cineasta norte-americano Taylor Hackford chega hoje a São Paulo para promover a superprodução Prova de Vida (Proof of Life), que estréia oficialmente no Brasil no dia 6 de abril. O filme, que custou US$ 80 milhões e foi rodado na Inglaterra, Polônia e Equador, aumentou ainda mais a fama de bad boy do ator australiano Russell Crowe. Também, há cerca de um mês, o lançamento do longa em solo europeu acabou descambando para a maior lavagem de roupa suja da história recente de Hollywood.Durante a première londrina desse thriller sobre o resgate de um engenheiro americano seqüestrado por um grupo de guerrilheiros e traficantes de cocaína num país fictício da América do Sul, Hackford culpou o comportamento dos dois protagonistas - Crowe e a atriz Meg Ryan - pela má performance de seu filme nas bilheterias dos EUA, onde só arrecadou US$ 33 milhões. Como noticiaram tablóides do mundo inteiro, os bastidores das filmagens de Prova de Vida serviram de palco para a consumação do romance extraconjugal da dupla. Meg, ainda casada com o ator Dennis Quaid, com quem tem um filho de seis anos, se separaria logo em seguida, depois de o marido tomar conhecimento do affair, pela imprensa. Segundo as colunas sociais, Crowe e Meg, que teriam rompido o romance logo depois do réveillon, estariam juntos novamente."A ligação entre os dois teve um efeito indelével e altamente destrutivo no lançamento do filme nos EUA", disse Hackford durante uma entrevista de divulgação na Inglaterra. "A história pessoal deles acabou sufocando o filme", concluiu o cineasta, que é casado com a atriz inglesa Helen Mirren.Dois dias depois da declaração de Hackford, Crowe, que disputa o Oscar de melhor ator este ano por sua performance em Gladiador, contra-atacou. "Eu acho que Taylor está sendo indelicado, impolítico e imbecil ao afirmar isso", disse o australiano, que atribuiu a má performance do filme ao fato de tratar-se de uma produção adulta lançada no Natal, época em que o público dos EUA procura por filmes "mais família".Leia mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.