Financistas de Hollywood voltam sua atenção ao cinema asiático

Financistas internacionais disseramna quarta-feira que vão injetar milhões de dólares na indústriacinematográfica asiática, para aproveitar o crescente poder decompra dos consumidores da região. Ashok Amritraj, executivo-chefe da Hyde Park Entertainment--empresa de Hollywood que produziu sucessos como "A Casa Caiu"e "Um Presente para Helen"-- disse que sua firma estáinvestindo milhões de dólares em filmes da Índia, Coréia doSul, Japão e Cingapura. Amritraj disse que os projetos asiáticos da Hyde Park serãoanunciados no primeiro trimestre de 2008, mas se negou a falarem valores exatos. A firma vai abrir sua sede na Ásia nopróximo ano. O crescimento acelerado do mercado de cinema da Ásia podelevá-lo a superar o mercado americano até 2020, disse EdwardPressman, executivo-chefe da Edward R. Pressman FilmCorporation. Produtor aclamado de Hollywood que deu a ArnoldSchwarzenegger seu primeiro papel de destaque, em "Conan, oBárbaro", Pressman disse: "O fato de que as agências estão aquina Ásia e os grandes estúdios estão construindo infra-estruturanesta parte do mundo é um indicativo claro da importância daregião". De acordo com dados do governo, a receita total dos setoresde rádio, televisão e cinema na China aumentou 18 por cento noano passado, para cerca de 15 bilhões de dólares. Nos últimos anos, filmes de horror asiáticos como o japonês"O Chamado" e a co-produção de Cingapura e Hong Kong "The Eye-- A Herança" ganharam remakes para o público ocidental etiveram sucesso comercial. "O Tigre e o Dragão", de Ang Lee, recebeu o Oscar de melhorfilme em língua estrangeira em 2000. Mas a Índia nunca recebeuum Oscar de melhor filme estrangeiro, apesar de ter a maiorindústria cinematográfico do mundo em termos de vendas deingressos. "Esta parte do mundo se encontra numa encruzilhada", disseAmritraj. "Você pega uma indústria local, quer seja a indústriacinematográfica indiana, da Coréia do Sul, de Cingapura ou doJapão e a amplia para alcançar um público mundial."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.