Filmes de Suzana Amaral no CCBB

Há tempos que o Centro Cultural Bancodo Brasil vinha querendo cooptar Suzana Amaral para o seuhorário intitulado Encontros com o Cinema Brasileiro. Seráamanhã, em São Paulo. Às 18h30, o CCBB mostra um programaformado pelos curtas Eu Sou Você, Nós Somos Eles e OsMortos Viram Terra, mais o longa Uma Vida em Segredo. Naseqüência, Suzana conversa com o público. Debate sua obra eresponde a questões sobre o cinema brasileiro. Ela admite queadora conversar, mas avisa: Estou cansada de dizer sempre asmesmas coisas; vou improvisar. Suzana gosta de se definir como um processoambulante. Nunca está parada. Está sempre em ebulição, mesmoquando parece estar quieta em seu canto. Passou-se um longotempo entre o seu primeiro longa (Nasce uma Estrela, de1985) e o segundo (Uma Vida em Segredo, produção de 2001) -16 anos representam muita coisa na vida de uma pessoa. Entreesses dois filmes, Suzana tentou, mas não conseguiu concretizar,sua adaptação do livro de Rubem Fonseca, O Caso Morel. Fezcomerciais, escreveu roteiros e até dirigiu uma minissérie emPortugal. De volta ao cinema, adaptou Autran Dourado para fazerde Uma Vida em Segredo um filme rigorosamente intimista ebelo, na linha que a consagrou. O filme consagrou também a atrizde teatro Sabrina Greve, que estréia no cinema fazendo aprotagonista. Foi a melhor atriz do ano para a AssociaçãoPaulista dos Críticos de Arte, a APCA. Dois filmes intimistas e centrados em personagensfemininas tão discretas que terminam vivendo suas vidas emsegredo, como deixa claro o título do segundo. Mas isso vaimudar, pelo menos em parte, Suzana promete. O próximo filme serásobre homens. Outra adaptação, desta vez do romance HotelAtlântico, do escritor gaúcho João Gilberto Noll. Suzana está empleno processo de captação; conseguiu os primeiros R$ 100 mil. Eela tem outro projeto engatilhado. De novo, como em A Hora daEstrela, será uma adaptação de Clarice Lispector e logo de umlivro tão intenso e importante quanto Perto do CoraçãoSelvagem. A própria Suzana talvez seja uma personagem de Clarice,daí a sua afinidade com o universo da escritora. Casou-se, tevenove filhos, cuidou deles e do marido, mas isso não a impedir deestudar e trabalhar para realizar seu sonho de ser diretora.Estudou cinema na ECA, a Escola de Comunicação e Artes, da USP,e fez os curtas que integram o programa de hoje. Prosseguiu osestudos em Nova York. De volta ao Brasil, fez, aos 50 anos, AHora da Estrela e acumulou prêmios. Uma diretora dessas nãovive a vida em segredo. Tem muito o que conversar. O encontropromete. Serviço - Encontro com o Cinema Brasileiro - SuzanaAmaral. Quinta, às 18h30. Entrada franca. Centro Cultural Bancodo Brasil. Rua Álvares Penteado, 112, em são Paulo, tel. (11)3113-3651.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.