John Wilson/Universal Pictures and Amblin Entertainment via The New York Times
John Wilson/Universal Pictures and Amblin Entertainment via The New York Times

Filmes da Universal irão para serviço de streaming Peacock pouco após estreia nos cinemas

Acordo prevê que ferramenta exiba os longas até quatro meses de estrear na salas

Lisa Richwine, Reuters

07 de julho de 2021 | 07h21

A Universal Pictures, da Comcast Corp's, enviará seus novos filmes com exclusividade para o serviço de streaming Peacock até quatro meses depois da estreia nos cinemas, anunciou a empresa nesta terça-feira, 6. Atualmente, os filmes da Universal são direcionados para o canal HBO, da AT&T, e para o serviço de streaming HBO Max seis meses após chegarem aos cinemas. 

O Peacock é um novo serviço de streaming da NBCUniversal, empresa dona do estúdio Universal Studios e da rede de televisão americana NBC. 

O novo acordo começa em 2022 e incluirá filmes da Universal, dos estúdios de animação DreamWorks Animation e Illumination, e da divisão artística Focus Features. Os termos financeiros do acordo não foram revelados. 

Novos títulos incluem Jurassic World: Dominion, um novo filme do cineasta Jordan Peele, diretor de Corra!, e novas sequências de franquias animadas como Minions e Gato de Botas, afirma a nota da empresa. 

Companhias de mídia estão adicionando filmes e programas de televisão aos seus serviços de streaming para competir com Netflix e Walt Disney, entre outras, por mais espectadores domésticos. 

O acordo entre a Universal e a Peacock abrange o que a indústria chama de janela "Pay-One", o tradicional intervalo de tempo no qual os filmes deixam os cinemas e são exibidos em serviços de streaming ou canais por assinatura. Esse período normalmente dura 18 meses. 

A Universal Pictures também começará a fazer filmes originais específicos para o serviço Peacock, afirmou o estúdio. Por enquanto, não há estimativa de lançamento do Peacock no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.