Hayoung Jeon/ EFE
Hayoung Jeon/ EFE

Filmes brasileiros se destacam na premiação LGBT do Festival de Berlim

'Tinta Bruta' venceu o prêmio Teddy como melhor filme e 'Bixa Travesty', como melhor documentário

EFE

24 de fevereiro de 2018 | 11h46

O cinema brasileiro fez bonito nesta sexta-feira nos prêmios Teddy, dedicados a filmes com especial sensibilidade para a comunidade LGBT do Festival de Berlim, ao conseguir duas das seis estatuetas na cerimônia realizada em Berlim.

O Teddy de melhor longa-metragem ficou com Tinta Bruta, novo filme do duo formado por Márcio Reolon e Filipe Matzembacher; enquanto o prêmio de melhor documentário reconheceu Bixa Travesty, de Claudia Priscilla e Kiko Goifman.

Tinta Bruta narra a história de Pedro (Shico Menegat), um jovem homossexual que assume o codinome GarotoNeon e passa a se apresentar anonimamente na internet dançando nu na escuridão do seu quarto, coberto apenas por uma tinta fluorescente..

Bixa Travesty, por sua parte, acompanha a cantora transexual Linn da Quebrada, que se autodenomina "bicha, trans, preta e periférica" e que entende sua música como arma contra o racismo, a transfobia e o machismo.

Além das duas produções brasileiras, projetadas na seção Panorama, a segunda em importância do festival, o cinema latino-americano se destacou com a peruana Retablo, de Álvaro Delgado Aparicio, que recebeu o Teddy L'Oreal, que premia os novos talentos, depois de levar também hoje uma menção especial do júri juvenil na entrega de prêmios da seção Generation14plus.

O último prêmio latino-americano foi para Las Herederas, do paraguaio Marcelo Martinessi, que ganhou o Teddy dos Leitores, concedido pela revista Mannschaft, e que amanhã concorrerá ao Urso de Ouro do Festival de Berlun.

O prêmio especial do jurado também teve um toque brasileiro, uma vez que distinguiu o documentário Obscuro Barroco, uma coprodução franco-grega da produtora Evangelia Kranioti que aborda, como Bixa Travesty, a noção do corpo através da figura de uma transgênero brasileira, Luana Muniz, que morreu no ano passado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.