Filme turco-alemão leva o Urso de Ouro em Berlim

Os grandes saíram derrotados da 54ª edição do Festival de Berlim. O júri presidido pela atriz Frances McDormand e integrado, entre outros, pela atriz e diretora Valeria Bruni Tedeschi e pelos diretores Gabriele Salvatores e Samira Makhmalbaf, preferiu apostar nos novos talentos e deu hoje o Urso de Ouro para o filme turco-alemão "Head On" (foto), de Fatih Akin.Pode ter sido uma escolha surpreendente, considerando-se que a bolsa de apostas favorecia autores consagrados como o grego Theo Angelopoulos, por "The Weeping Mealow", e o inglês Ken Loach, por "Ae Fond Kiss". Mas não se pode dizer que o júri tenha feito a coisa errada. "Head On", exibido no fim da competição, é um belo filme e também recebeu o prêmio da crítica.Dois dos prêmios mais aplaudidos foram para o cinema argentino, pelo filme "El Abrazo Partido". O diretor Daniel Burman recebeu o Urso de Prata correspondente ao grande prêmio do júri e o ator Daniel Hendler levou outro Urso de Prata por sua interpretação. A vitória argentina era esperada, não apenas pela alta qualidade estética do filme, que reúne de novo a dupla responsável por "Esperando al Messias". A Berlinale colocou o foco deste ano na África e na América Latina. "El Abrazo Partido" é excelente e era o único filme latino da competição. Para o cinema argentino foi a glória, pois além desses dois prêmios houve um terceiro - o Urso de Ouro especial de carreira para Fernando Solanas. O Brasil não participou da competição, mas não foi esquecido na premiação final - "O Outro Lado da Rua", de Marcos Bernstein, ganhou o prêmio da Confederação Internacional dos Cinemas de Arte, repetindo o êxito de "Amarelo Manga", de Cláudio Assis, no Panorama do ano passado.Charlize Theron, indicada para o Oscar por seu papel de serial killer em "Monster", levou o Urso de Prata de melhor atriz, mas teve de dividi-lo com a colombiana Catalina Sandino Moreno, de "María, llena eres de gracías". É uma morenaça que leva jeito de seguir a carreira de Salma Hayek no cinema mundial.Charlize, uma mulher de grande beleza, teve de ficar feia - mais do que isso: um horror - para ganhar seu Urso de Prata e, talvez, o Oscar. Catalina não precisou prescindir de sua espantosa beleza e sensualidade para convencer o júri. O filme do americano Joshua Marston também recebeu o Prêmio Alfred Bauer, destinado a um filme ´particularmente inovador´. Ao contrário do prêmio de Catalina, esse foi recebido com mais vaias do que aplausos, porque o filme sobre uma garota colombiana que aceita trabalhar como mula, transportando drogas para os EUA, pode ter qualidades, mas entre elas certamente não está a da inovação estética.As vaias foram maiores ainda para o prêmio de música destinado a "Primo Amore", do italiano Matteo Garrone. Frances McDormand provocou os jornalistas na sala em que foi feito o anúncio dos prêmios: "Vaiem mais, vamos, coragem!", dizia. O Urso de Prata de direção foi para o coreano Kim Ki-duk, de "The Samaritan Girl". E o sofrido filme sueco "Daybreak", de Jjorn Runge, sobre a dissolução de um casamento, levou dois prêmios importantes - um Urso de Prata por sua contribuição artística e o troféu Blue Angel como melhor filme europeu. Ken Loach teve de se contentar com o prêmio do OCIC, o júri ecumênico, para o seu "Ae Fond Kiss".Os prêmiosUrso de Ouro/Melhor filme - ?Head On?, de Fatih Akin (Alemanha/Turquia);Urso de Prata/Melhor direção - Kim Ki-du, por ?The Samaritan Girl? (Coréia);Urso de Prata/Grande prêmio do júri - ?El Abrazo Partido?, de Daniel Burman (Argentina);Urso de Prata/Melhor ator - Daniel Hendler, por ?El Abrazo Partido? (Argentina);Urso de Prata/Melhor atriz - Charlizon Theron, por ?Monster?, de Patty Jenkins (EUA), e Catalina Sandino Moreno, por ?Maria Llena de Gracia?, de Joshua Marston (EUA/Colômbia);Urso de Prata/Melhor contribuição artística - ?Daybreak?, de Bjorn Runge (Suécia);Urso de Prata/Melhor música - Banda Osiris, por ?Primo Amore?, de Matteo Garrone Itália);Troféu Blue Angel/Melhor filme europeu - ?Daybreak?, de Bjorn Runge (Suécia);Prêmio Alfred Bauer/Filme mais inovador - ?Maria Llena de Gracia?, de Joshua Marston (EUA/Colômbia).Veja galeria de fotos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.