Filme sobre Sebastião Salgado é premiado no Festival de Cannes

Filme sobre Sebastião Salgado é premiado no Festival de Cannes

'O Sal da Terra', que levou o Prêmio do Júri na Un Certain Regard e o Prêmio Ecumênico, é dirigido por Wim Wenders e por Juliano Ribeiro Salgado

Flavia Guerra , O Estado de S. Paulo

23 de maio de 2014 | 14h24

O documentário O Sal da Terra, que o diretor alemão Wim Wenders realizou sobre a vida e o trabalho do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado acaba de levar o Prêmio Especial da mostra Un Certain Regard (a mostra paralela mais importante do evento) e o prêmio Ecumênico do Festival de Cannes 2014.

Com codireção de Juliano Ribeiro Salgado, filho de Sebastião, o filme é uma viagem ao passado e ao presente da vida do fotógrafo e também da Terra. Tudo isso sob o ponto de vista de um dos profissionais que melhor retrataram as questões mais urgentes que os povos vivem nas últimas décadas.

Nascido em Aymorés (MG) em 1944, Salgado foi economista e deixou uma carreira bem sucedida para se dedicar à sua paixão pela fotografia.  O Sal da Terra havia tido ótima acolhida em Cannes nesta semana, quando teve sua pré-estreia mundial na seção Un Certain Regard, uma das mostras paralelas mais importantes do festival.

No filme, enquanto Wenders registra suas imagens em preto-e-branco, Juliano as filma em cores. Assim, há uma distinção estética e temática feita por cada diretor, que compõem um quadro único da obra, do método de trabalho (sobre o qual Sebastião conversa com Wenders) e da trajetória do fotógrafo.  "O que o público não pode deixar de prestar atenção é, mais uma vez, o trabalho excepcional de fotografia em preto-e-branco do diretor alemão, combinando sua sensibilidade formal à influência do trabalho de Sebastião (ambos tem uma intensa apreciação por céus decorados com nuvens com uma escala de diversos tons de cinza)", declarou a revista Variety sobre o filme.

Outro filme premiado pelo júri ecumênico foi Hermosa Juventud, de sobre o impacto da crise econômica na Europa na vida dos jovens. O longa conta a história de um casal muito jovem da Espanha atual, dominada por uma crise que os impede de avançar como pessoas.

O júri ecumênico é formado pela Interfilm e pela SIGNIS, organização católica ligada ao mundo do cinema que premia trabalhos que destaquem os valores humanos e religiosos. 

COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.