Filme sobre guerra dos Bálcãs esquenta Festival de Berlim

Depois de um inicio morno, com filmes fora de competição frustrantes, entrevistas coletivas igualmente infrutíferas e competidores sem grandes propostas, o Festival de Berlim esquentou no terceiro dia. The Witnesses, do diretor croata Vinko Bresan, foi o primeiro concorrente a arrancar uma reação positiva legítima dos jornalistas e críticos. Os aplausos ao final da sessão reservada à imprensa no Berlinale Palast não foram apenas protocolares.Talvez seja um dos primeiros títulos a mostrar condições de brigar pelo Urso de Ouro. The Witnesses parece se encaixar na definição de tendência política apontada previamente pelo diretor do festival, Dieter Kosslick, embora Bresan evite a todo custo seguir por esse caminho. Livremente inspirado no romance de estréia do escritor croata Jurica Pavicic, o filme acompanha as investigações de um crime cometido por soldados croatas durante a guerra dos Bálcãs. ?Não estamos falando aqui das relações políticas entre a Croácia e a Sérvia, mas dos mecanismos do mal e como eles agem na alma humana em tempos de guerra?, falou o diretor.Construído como um mosaico em torno do assassinato de um agiota sérvio que vive em uma comunidade croata, The Witnesses foge completamente da narrativa convencional. As diversas visões dos personagens sobre o caso são apresentadas pouco a pouco, camada a camada, revelando o que está por baixo da superfície aparentemente clara e límpida. Com exceção do plano-seqüência inicial de quase seis minutos, praticamente todas os planos se repetem pelo menos uma vez, mostrando um detalhe a mais do acontecimento. Um trabalho que exigiu bastante da montadora Sandra Botica, esposa do diretor. ?O livro de Pavicic é um depoimento sobre sua experiência na guerra dos Bálcãs entre 1991 e 1992, quando serviu no exército durante nove meses?, contou Bresan, que também é autor do roteiro. ?Eu não queria repetir no filme essa mesma estrutura narrativa linear, por isso, na hora de escrever optamos por uma estrutura narrativa que intensificasse as emoções. E na hora de montar, essa idéia ganhou mais força.?Seguindo uma tradição iniciada pelo bósnio Emir Kusturica, Bresan também abordou a ruptura da Iugoslávia sob uma ótica bem humorada. Seus dois primeiros filmes, How The War Came To My Island (1996) e The Marshall (1999), exibido na mostra Panorama do Festival de Berlim daquele ano), eram comédias rasgadas que tinham a guerra dos Bálcãs como tema e pano de fundo. A opção pelo drama neste filme vem de uma necessidade de falar sobre os crimes de guerra que também foram cometidos pelos soldados croatas. ?Este filme é uma história íntima sobre todos nós?, disse ele. ?Fala sobre a guerra e a influência que tem em nossas vidas. Precisamos falar sobre ela e sobre como os mecanismos do mal agem sobre nós. Só assim podemos entender o que se passa e evitar que todas essas coisas aconteçam novamente.?

Agencia Estado,

07 de fevereiro de 2004 | 17h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.