Gary Hershorn/Reuters
Gary Hershorn/Reuters

Filme sobre crise econômica desbanca representante brasileiro no Oscar

'Trabalho interno' venceu na categoria melhor documentário, deixando o brasileiro 'Lixo Extraordinário' sem o troféu.

BBC Brasil, BBC

28 de fevereiro de 2011 | 00h57

O filme Trabalho Interno desbancou Lixo Extraordinário, o único competidor brasileiro do Oscar 2011, e levou o prêmio de melhor documentário de longa-metragem na competição, que transcorreu na madrugada desta segunda-feira, em Los Angeles.

Dirigido e produzido por Charles Ferguson, Trabalho Interno culpa as instituições financeiras pela pior crise econômica mundial desde a Grande Depressão.

Neste ano, embora o Brasil não estivesse concorrendo no Oscar na categoria de melhor filme estrangeiro, o filme Lixo Estrangeiro era um dos indicados na disputa de melhor documentário.

Coprodução brasileira-britânica, o filme narra a colaboração entre o artista plástico brasileiro Vik Muniz e catadores de lixo no aterro de Jardim Gramacho, na periferia do Rio de Janeiro.

Ele foi dirigido pela britânica Lucy Walker e pelos brasileiros Karen Harley e João Jardim.

Trabalho Interno, o filme vitorioso da categoria, já havia vencido o prêmio de melhor documentário na competição Directors Guild of America. Para produzi-lo, Ferguson entrevistou diretores de bancos e conselheiros políticos.

Os outros concorrentes na categoria, além de Lixo Extraordinário, eram os filmes Exit Through the Gift Shop, Gasland e Restrepo.

Pouco antes, o filme Strangers No More, sobre crianças imigrantes numa escola em Tel-Aviv, venceu o prêmio de melhor documentário curta-metragem.

Na disputa por melhor filme de língua estrangeira, o vencedor foi o dinamarquês Em Um Mundo Melhor, um drama dirigido por Susanne Bier.

O filme narra a história de um médico que viaja entre sua pacata cidade numa vila na Dinamarca - onde seu casamento está entrando em colapso - e um campo de refugiados na África.

Em Um Mundo Melhor derrotou títulos do México, Grécia, Canadá e Argélia.

Coadjuvantes

O ator Christian Bale venceu o Oscar de melhor ator coadjuvante por seu papel como um ex-boxeador em O Vencedor. Bale, 37, havia ganhado vários prêmios antes do Oscar, mas especulava-se que ele poderia perder o troféu para Geoffrey Rush, que atuou em O Discurso do Rei".

Pouco antes, Melissa Leo ganhou o prêmio de melhor atriz coadjuvante por sua atuação também em O Vencedor. No filme, Leo intepreta a matriarca de uma família de boxeadores.

Na disputa por melhor animação, o filme vitorioso foi Toy Story 3, dublado por um grupo de atores que incluiu Tom Hanks e Tim Allen.  BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.