Filme mexicano <i>Mezcal</i> vence festival de Trieste

O filme mexicano Mezcal ganhou nas categorias melhor filme e melhor direção e foi o grande vencedor do 21.º Festival de Cinema Latino-americano, organizado todo ano pela cidade italiana de Trieste. O longa de Ignacio Ortiz pode ser visto esta semana na capital paulista - no Cine Bombril - na quarta-feira, às 16h10, e na quinta-feira, às 22h20 - como parte da programação da 30.ª Mostra de Cinema de São Paulo. O argentino Chile 672, de Pablo Bardauil e Franco Verdoia, ganhou o prêmio de melhor roteiro e o venezuelano Román Chalbaud levou o prêmio especial do júri com El Caracazo, enquanto o filme brasileiro Person, de Marina Person, obteve uma menção especial.Mezcal, que superou as obras argentinas, as grandes favoritas entre os 14 filmes que participaram de concurso, é "um filme misterioso e complexo que conta com vigor um visionário mundo onde se entrelaçam histórias de desamor, vingança e morte em uma noite sem fim", segundo as declarações do júri.A fita mexicana, que já tinha sido agraciada no Festival de Biarritz com uma menção especial do júri, conta a história de várias pessoas que em um dia de tempestade acabam se abrigando na cantina de um povoado chamado Parián, e aliviam suas tristezas com o licor Mezcal e a conversa.O júri também premiou a direção de Ortiz devido ao "modo delicado e determinado de dirigir o tema, a história e a interpretação, com uma linguagem que imprime uma grande personalidade à obra".A Argentina, que participava com três filmes, só ganhou o prêmio de melhor roteiro com Chile 672, que celebrou assim sua prova internacional antes de sua estréia em Buenos Aires em meados de novembro.O filme é um mosaico de personagens com diferentes problemáticas no cenário claustrofóbico de uma comunidade de vizinhos em um edificio do bairro de San Telmo em Buenos Aires e que o júri premiou pela "grande fantasia ao escolher os personagens e suas histórias".O prêmio de melhor interpretação foi dado aos atores Benjamin Vicuña e Gastón Pauls pela "intensidade da interpretação no filme chileno Fuga, do diretor Pablo Larraín.Os membros do júri não esqueceram o cinema social latino-americano e deram seu prêmio especial a El Caracazo de Clabaud, um documentário drama que já foi apresentado no Festival de San Sebastián e que relata o levante popular acontecido na Venezuela em 1989.Como melhor obra-prima, o júri premiou o boliviano Martín Boulocq com "Lo más bonito y mis mejores años", um filme "poético e melancólico" que descreve com "uma singela expressividade" uma geração sem perspectivas e à busca de um futuro melhor.Com a entrega dos prêmios terminou o 21.º Festival de Trieste, na qual foram projetados duzentos filmes, entre longos, curtos, documentários filmes, ficção, retrospectivas e vídeos com o objetivo, segundo seus organizadores, de "mostrar a América Latina tal e qual ela é".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.