Filme ‘Kiki’ reflete, no sexo, o estado do mundo

Filme ‘Kiki’ reflete, no sexo, o estado do mundo

O longa, do espanhol Paco de Leon, possui uma estrutura em episódios, todos abordando a busca do prazer por meio de distintas práticas sexuais

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2017 | 04h00

Existem cenas que podem parecer chocantes em Kiki – Os Segredos do Desejo. O longa do espanhol Paco de Leon que estreou na quinta, 15, possui uma estrutura em episódios, todos abordando a busca do prazer por meio de distintas práticas sexuais. Numa dessas histórias, ou episódios, um homem urina no peito do próprio diretor De Leon, que também é ator. Em outro, suprema bizarrice, uma mulher tem um orgasmo solitário ao esfregar o colarinho de um estranho na estação de metrô. 

Grande sucesso de público na Espanha, Kiki foi indicado para uns quantos Goyas – o Oscar espanhol –, mas levou somente o de melhor atriz revelação para Belén Cuesta. O sucesso pode ser creditado ao caráter transgressor da narrativa. Sexo, quando tema ou assunto, dificilmente nega fogo em países de forte tradição repressiva. A Espanha, não se pode esquecer, abrigou a Inquisição e o franquismo, que, por meio século, tentou manter o país alheio ao século 20.

Um filme como esse diverte, quanto mais não seja pelo ridículo de certas situações. Mas também coloca problemas. Não é nem questão de ser politicamente (in)correto, mas os episódios incluem estupro conjugal e maus-tratos a animais. O que o pobre pet tem a ver com isso? A tese é que, na busca do prazer, vale tudo. Vale mesmo? As perversões são as mais variadas possíveis, e às vezes a bizarrice até parece ingênua – tem gente que se excita só de ver o parceiro(a) dormindo, ou que goza vendo o outro chorar. É válido? O problema é que a transgressão é de mentirinha. Aquele orgasmo solitário não é exceção. O importante é o gozo individual.

Kiki reflete, no sexo, o estado do mundo. Não é segredo para ninguém que vivemos, desde o fim das utopias, numa era de competitividade, em que os indivíduos são estimulados a pensar cada um em si. Nesse caso específico, como seria um projeto coletivo – sexo grupal? Em Kiki, não dá certo. O mais curioso é que o filme, no fundo, é comportado. Uma fruta aqui, um picolé pingando ali são as metáforas mais explícitas (?) do ato sexual. O espectador ri do tamanho dos absurdos, não com os personagens. Veladamente, um filme preconceituoso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.