Sony Pictures
Sony Pictures

Filme 'Kardec' põe o foco no pedagogo para defender liberdade de expressão

Baseado em livro de Marcel Souto Maior sobre o criador da doutrina espírita, filme 'Kardec', que entra em cartaz, se concentra mais no lado cientista e educador do francês Allan Kardec; assista ao trailer

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

16 de maio de 2019 | 04h30

Enquanto escrevia sua biografia de Allan Kardec, Marcel Souto Maior enviava os capítulos para o diretor Wagner de Assis, que estourara na bilheteria com Nosso Lar. O longa havia deflagrado a onda espírita do cinema brasileiro, e tanto Assis quanto Souto Maior pensavam. “Dá filme”, o Kardec.

A produtora Conspiração já o tinha numa lista de possíveis projetos. Há um ano, exatamente – 16 de maio de 2018 –, Assis iniciou a filmagem, em Paris. Antes houve a fase de roteiro, de negociações de produção. Mas, então – será mera coincidência? Pois o filme abre-se com uma aula do professor Hippolyte Léon Denizard Rivail, que vai virar Allan Kardec. Entra o sacerdote. Ele protesta em defesa do ensino laico.

O quadro é a França de Napoleão III. “Havia uma forte interferência da Igreja na administração pública, portanto, é perfeitamente válido que um homem que, como professor, foi fundamental para o ensino médio francês, não permanecesse calado”, afirmam cineasta e escritor. 

“Havia uma forte interferência da Igreja na administração pública, portanto, é perfeitamente válido que um homem que, como professor, foi fundamental para o ensino médio francês, não fosse permanecer calado.”

Kardec estreia nesta quinta, 16, em salas de todo o País. Nosso Lar era tosco, tinha aquele visual brega desprezado como de mau gosto pela crítica, mas foi um megassucesso.

Comparativamente, Kardec é uma obra-prima – pelo menos de produção. Visual apurado, certa fluidez do relato. Certa – porque Assis não evita um tanto de solenidade. Kardec tem diálogos que beiram o pronunciamento. É acadêmico, mas é digno.

O próprio Souto Maior admite que, como escritor, seu maior desafio foi encontrar a voz de Kardec. “Pesquisei na Biblioteca Nacional da França, onde tive a sorte de encontrar os exemplares da Revista Espírita que Kardec editou por 11 anos. Ele se correspondia com seguidores da doutrina, e as cartas foram muito importantes porque nelas ele se surpreendia com as descobertas e não escondia a decepção pelos detratores e traidores. Dessa forma, foi possível chegar à sua essência humana.”

Nesse Brasil evangélico, o diretor é o primeiro a manifestar curiosidade – como reagirá o público? “Existem cerca de 15 mil grupos de estudos kardecistas no País, e creio que o interesse desse segmento será grande. O resto é expectativa”, reflete Assis.

Na França, Kardec foi perseguido e até ridicularizado após a morte. No Brasil, sua doutrina renasceu com Bezerra de Menezes e firmou-se com o verdadeiro fenômeno que foi Chico Xavier. O importante é que o espectador não precisa ser espírita para assistir ao filme. Rivail/Kardec era um estudioso que chegou ao mundo dos espíritos e dos médiuns movido pela curiosidade científica.

Enfrentou todo tipo de resistência – de colegas cientistas, da Igreja, das instituições seculares. O filme pode ser visto como um manifesto em defesa da liberdade – de expressão e investigação. Um manifesto em defesa da caridade. Numa França devastada pela miséria, Rivail/Kardec ousou defender a solidariedade com o próximo desvalido, outro ponto de contato com o Brasil atual.

“Não é sobre espiritismo, é sobre o pedagogo”, adverte o diretor. No currículo, ele tem filmes como o citado Nosso Lar e Menina Índigo, e também foi roteirista, na Globo, de novelas que abordavam o mundo do além. Apesar disso, Assis resiste aos rótulos. “Não existe essa coisa de gênero espírita. Se existisse, teríamos de colocar Ghost – Do Outro Lado da Vida, O Sexto Sentido e Os Outros (refere-se aos filmes de Jerry Zucker, M. Night Shyamalan e Alejandro Amenábar). Parece que só se fala disso no cinema brasileiro, mas para ser uma coisa pejorativa.”

Leonardo Medeiros, que faz o papel, criou-se num ambiente kardecista. “Para mim ele (Kardec) foi cientista até o fim, movido sempre pela curiosidade científica para entender o mundo e os fenômenos paranormais ao redor dele.” Sandra Corveloni, que foi melhor atriz em Cannes – por Linha de Passe, de Walter Salles e Daniela Thomas –, faz a mulher guerreira do professor.

Não é complicado para uma atriz contemporânea meter-se naquele figurino de época? “Querido, venho do teatro, com o Eduardo Tolentino, no Grupo Tapa. Fazíamos muito os clássicos e o Tolentino sempre teve uma preocupação muito grande com o figurino. A gente estudava as roupas, e como levar aqueles vestidos, aquelas casacas. A roupa integra a criação dos personagens, vira personagem, também.” Medeiros, com sua formação teatral, concorda integralmente.

Ambos, diretor e escritor, destacam a participação do elenco, em especial a da atriz. Na ficção, a mulher de Rivail, que se chamava Amélie, é identificada como Gabi. “O roteiro já esboçava uma personagem forte, mas foi a leitura de Sandra que nos permitiu dimensionar a importância da mulher na vida de Kardec”, assinala o diretor. Por mais que resista às etiquetas, Assis prepara a sequência de Nosso Lar. Sem entrar em detalhes, garante que será diferente do primeiro filme.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.